11 de fevereiro de 2011

A CANANEIA: como rezar para Jesus

Jesus chamou a estrangeira de "cachorra". Ela "latiu": pediu a Ele
os restos, qualquer coisa, mas que ouvisse a sua oração. Ele atendeu.

Não vou à missa todos os dias. Mesmo porque, na minha paróquia, o padre não a celebra diariamente. E as missas às terças, quintas e sextas-feiras são noturnas. Então, a solução que encontrei para acompanhar o Evangelho Cotidiano, as leituras bíblicas que a Igreja faz diariamente, foi comprar o caderninho "Ano Litúrgico", da editora Paulinas, e ler à mesa durante o café da manhã. Com o meu marido.

Se você não está familiarizado (ou é como eu, alguém que está se familiarizando com a Igreja Católica), bem, durante a semana, nas missas, há três leituras bíblicas: a primeira é retirada do Antigo Testamento ou do Novo Testamento - por exemplo: uma passagem de uma das 13 cartas de São Paulo -; a segunda são trechos de um Salmo e a terceira e última corresponde à parte de um dos Evangelhos.

E a leitura dessa quinta-feira do Evangelho de São Marcos, que a Bíblia da Editora Ave-Maria intitula de "A cananeia", me tocou. Muito. Ao ler este versículo, me emocionei: "É verdade, Senhor; mas também os cachorrinhos debaixo da mesa comem das migalhas dos filhos" (Mc 7, 28). Pensei: "Eu quero ser um desses cachorrinhos!". Daí me lembrei de uma das maravilhosas palestras do Padre Léo: Roteiro de Cura Interior.

Trata-se de uma das centenas que venho adquirindo desde 2008, quando "descobri" o saudoso sacerdote. Na palestra acima, ele destrinça a mesma passagem sobre a cananeia, só que na versão do Evangelho de São Mateus. E aqui chegamos ao objetivo deste Post d'A Católica: convidar você a aprendermos juntos com a estrangeira a "nos tornar um cachorrinho": a arte de rezar e obter de Deus aquilo de que tanto precisamos.

Mapa de Canaã no tempo dos Patriarcas* (1880).
No alto, à esquerda, Tiro e Sidônia. Jesus estava
nos arredores delas, quando a cananeia foi até Ele.
(CLICK no mapa para vê-lo ampliado)

Eis o resumo da história: Jesus passava por Tiro e Sidônia, cidades da Fenícia, território logo acima da Galileia (região de Nazaré), quando uma mulher, que estava sozinha, o abordou. Desesperada, por quatro vezes ela implorou a Nosso Senhor que curasse a sua filha, terrivelmente atormentada, possuída por um demônio. Diante da insistência e da fé daquela mãe, Cristo decide fazer como ela desejava. E cura a menina.

Na palestra mencionada no início deste Post d'A Católica, Padre Léo transforma os quatro pedidos da cananeia em "quatro passos" para a nossa cura interior: minha, sua, de todos nós.

No Evangelho de São Marcos, a mãe aflita é descrita como "mulher pagã, de origem siro-fenícia" (Mc 7, 26). Por que, então, chamá-la de cananeia? Segundo o dicionário, cananeia é feminino de cananeu, "antigo habitante de Canaã". E Canaã? De acordo com Juan Arias no excelente livro A Bíblia e Seus Segredos (Objetiva, 2004), trata-se do "nome original da Palestina":

Ali habitava um povo que era mescla de várias raças, predominantemente semitas e com uma cultura bastante desenvolvida. Vivia da agricultura e da caça. Os cananeus pereceram ante os israelitas ['povo semítico de Isreal que conquistou e habitou a antiga Palestina'] na famosa ocupação de finais do século XIII a.C. Foi em Canaã que os israelitas, seguindo o patriarca Abraão, acabaram construindo uma nação (...).

O autor prossegue:

Quando os filhos de Abraão chegam à terra de Canaã, os cananeus praticavam uma religião de tipo sedentário. Adoravam uma multidão de deuses da fertilidade e praticavam ritos de prostituição sagrada e sacrifícios humanos, algo que feria a sensibilidade religiosa dos judeus, que começavam a receber de seu Deus uma lei moral muito severa. (...) Os judeus que chegaram à Canaã com o propósito de conquistá-la e fazer dela a Terra Prometida adoravam Javé (...).

A cananeia era pagã, ou seja, idólatra, alguém que adorava ídolos: "imagens de falsas divindades que são objetos de culto". Não era devota e temente a Deus - ao único Deus - como os judeus. Nos Evangelhos de São Marcos e de São Mateus, o tratamento que Jesus reserva a ela, portanto, era o mesmo que qualquer judeu típico lhe dispensaria. Por ser pagã, e mulher pagã, não merecia consideração.

Postos todos esses pontos, internauta, vamos ao cerne deste Post d'A Católica: os "quatro passos" do Roteiro de Cura Interior do Padre Léo.

The Canaanite Woman (Sem Data) - Autor Desconhecido

O Roteiro

O sacerdote começa a palestra recordando que a cananeia estava só. Ou seja: ter a filha endemoninhada era apenas uma de suas dificuldades: "Essa mulher tinha uma penca de problemas: mulher, estrangeira, devia ser viúva (ou o marido largou dela, porque estava sozinha). E a mulher não podia aparecer em público sozinha, a não ser que ela fosse viúva, separada ou prostituída. Nós não sabemos o que é que tinha acontecido com essa coitada...".

1º passo: Jesus não falou nada. Insista.

"Jesus partiu dali e retirou-se para os arredores de Tiro e Sidônia. E eis que uma cananeia, originária daquela terra, gritava: 'Senhor, filho de Davi, tem piedade de mim! Minha filha está cruelmente atormentada por um demônio'. Jesus não lhe respondeu palavra alguma." (Mt 15, 21-23a)

Padre Léo considera: "Noventa e três vírgula oito por cento dos católicos, nesse momento, desistem da sua caminhada. Noventa e três por cento dos católicos, nessa hora, mudam de religião. (...) Acontece que essa mulher tinha um problema sério. E quem tem um problema sério não desiste. Grave isso. Se você desistiu, é porque não era sério".

O sacerdote continua: "Nós estamos acostumando as pessoas a uma oração mágica: 'Ô, Jesus, resolva o meu problema. Amém. Obrigado'. (...) [Eu não posso] desistir. Mesmo que pareça que Cristo não me ouve". Enfim, internauta, esse primeiro passo corresponde àquele instante em que "monto a minha oração linda e maravilhosa". Rezo e conto tudo, tudinho a Deus. E nada ocorre. Nada muda.

2º passo: Jesus a desprezou. E foi petulante. Apele para a comunidade.

"Seus discípulos vieram a ele e lhe disseram com insistência: 'Despede-a, ela nos persegue com seus gritos'. Jesus respondeu-lhes: 'Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel'." (Mt 15, 23b-24)

Fotografia de Woodwalker

Os discípulos se mobilizaram em prol da cananeia, a fim de arrancar de Jesus alguma reação. Conforme a nota da Bíblia de Jerusalém (Paulus, 2002): "Os discípulos pedem ao Mestre que 'a despeça', atendendo-a (...)". Padre Léo explica (comparando com nossa própria vida) que essa é a hora em que contamos com a comunidade - é quando pedimos a intercessão do grupo; participamos das missas, dos encontros, dos retiros... Porém, nada adianta.

"Aqui, mais uns 3% dos católicos abandonam [a Igreja]. Só sobraram uns 4%", observa.

Além do desprezo, segundo Padre Léo, Cristo agiu com "petulância". Ele "esclarece" aos discípulos e à mãe desesperada que não deve ajudá-la, porque Sua missão (de acordo com a nota da Bíblia da Ave-Maria) "limitava-se ao mundo judaico". Em outros termos: só "as ovelhas perdidas da casa de Israel" é que poderiam contar com a Sua salvação. Pensa que a cananeia desistiu?

3º passo: Prostrar-se diante de Jesus e soltar lá do fundo do coração: "Senhor, socorra-me!"

"Mas aquela mulher veio prostrar-se diante dele, dizendo: 'Senhor, ajuda-me!'." (Mt 15, 25)

Nas próprias palavras do Padre Léo:

A mulher mudou a estratégia dela. (...) Ela andou mais depressa e se prostrou na frente Dele. (...) Ela não gritou mais. Ela não contou mais a história dela. Ela não tinha mais força para fazer uma oração. (...) Ela estava sozinha lá. (...) Ela largou tudo e foi embora? Não. Ela não tinha mais argumento para Jesus. (...) O que ela fez? Foi embora? Não. Quem tem problema sério não desiste.

O sacerdote prossegue:

Mas a mulher veio prostrar-se. O que é prostrar? É deitar. Ela chegou lá e deitou na frente dele. E ficou lá: (...) "Senhor, ajude-me!". (...) Que oração! (...) Ontem, teve gente que não se ajoelhou dois minutos diante do Santíssimo [hóstia consagrada exposta no ostensório]. (...) Eu não acredito em quem fala de Deus, se não tiver calo no joelho. E muitos aqui não foram curados e não serão, enquanto não dobrarem o joelho diante de Jesus. Pra valer.

4º passo: Tornar-se um cachorro. (Isso mesmo que você leu.)

"Jesus respondeu-lhe: 'Não convém jogar aos cachorrinhos o pão dos filhos'. 'Certamente, Senhor', replicou-lhe ela; 'mas os cachorrinhos ao menos comem as migalhas que caem da mesa de seus donos...'." (Mt 15, 26-27)

Fotografia de nick rebollozo

A nota da Bíblia de Jerusalém elucida: "Jesus deve ocupar-se com a salvação dos judeus, 'filhos' de Deus e das promessas, antes de cuidar dos gentios, que aos olhos dos judeus eram apenas 'cães'. O caráter tradicional dessa imagem e a forma diminutiva atenuam, nos lábios de Jesus, o que esse epíteto tinha de desdenhoso".

Quando revela o quarto e último passo de seu Roteiro de Cura Interior, Padre Léo assegura: "Você vai ter que virar um cachorro. Jesus chamou a mulher de 'cachorra' e o que ela fez? Latiu...". Ele segue com a reflexão: "Ela insistiu: 'É verdade, Senhor. O Senhor está certo. (...) [Então,] me dá o resto, Senhor!'". Para o padre, "é aqui que vem a cura". Diante disso...

"Disse-lhe, então, Jesus: 'Ó mulher, grande é tua fé! Seja-te feito como desejas'. E na mesma hora sua filha ficou curada." (Mt 15, 28)

O sacerdote nos questiona: "Você chega até esse quarto passo? (...) Ou desistiu lá no primeiro? [Porque] para chegar à cura, tem que chegar a esse [último] passo". Ele reafirma: "Se você não conseguiu o milagre ainda, é porque você está parando no meio dessa estrada". E conclui: "Cura interior é uma resposta: (...) resposta à oração, resposta à garra, resposta à luta".

Cristo fez conforme a cananeia desejava - curou a sua filha endemoninhada -, porque a estrangeira realmente quis a cura. E perseverou até consegui-la. É por isso que (Padre Léo ressalta) ao chamá-la de "cadela", na verdade, Jesus fez um elogio: os cães não desistem, são leais, persistem, perseguem, procuram. "E nós temos que ser este cachorro: de correr atrás, de insistir, de ser fiel!".

Fico por aqui. Espero que, tanto quanto eu, você também tenha refletido sobre a sua relação com Nosso Senhor através da oração que faz. Que deve ser contínua. Suplicante. Humilde.

Um adendo, internauta d'A Católica: se é leitor apaixonado da Bíblia como eu, já deve ter percebido que os outros, os que não eram devotos e fiéis seguidores das prescrições religiosas, muitas vezes, são quem nos dão grandes lições do agir cristão. A própria cananeia, o centurião (Mt 8, 5-13), a samaritana (Jo 4, 1-42), a mulher doente (Mc 5, 25-34; Mt 9, 20-22; Lc 8, 43-48)...

... No Novo Testamento, os que estão à margem, fora do Templo, são quem nos ensinam a ser cristãos de verdade. Sem preconceitos tolos, sem julgar o irmão pela sexualidade, aparência, trajes ou religião que seguem. Os de fora, na Palavra de Deus, são os que demonstram Fé e Amor. (Não é que, ironicamente, isso acontece até os dias de hoje?) Saúde e Paz!!


*Nota à legenda do Mapa de Canaã: "Os patriarcas são identificados como Abraão, Isaque e Jacó (...). [Junto às matriarcas,] foram os progenitores do povo de Israel". Fonte: Guia Visual da História da Bíblia, National Geographic, 2008.

Imagem no início do Post:
Christ and Canaanite woman by Alessandro Allori (1590), por sailko (Click The Image)



~Ana Paula~A Católica
Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

4 comentários:

  1. Ana Paula, estou aqui aplaudindo vc pelo grandioso post. Qdo vi eu pensei: Ôba! É hoje que vou entender e apaziguar meu coração! Vc realmente esmiuçou o texto e o ilustrou soberbamente e nos apresentou uma gde novidade: Pe Léo falando da cananéia. Infelizmente nunca o ouvi falando da cananéia( quero o nome para poder pedí-la). Seu adendo tbém é rico. Realmente, está tudo um primor, digno de uma pessoa ardorosa e que ama, estuda e segue a Palavra, mas eu ainda não consigo entender pq Jesus não atendeu de antemão, respondendo-lhe com soberba, até, mas só após ela humilhar-se. Pois, é, minha querida, meu coração ainda não sossegoumas vc está de parabéns pela valiosíssima postagem. Meu grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. OLá, querida
    Maravilhoso nos percebermos necessitados da ajuda valiosa do Senhor!!!
    O que seríamos sem Ele a nos proteger e amar???
    Bjs de paz

    ResponderExcluir
  3. Ei Ana,
    Mais uma vez você me ensinou muito e inspirou várias reflexões. Parabéns pelo trabalho duro.
    Grato
    Christian

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nas mais de 1000 paginas da bíblia não existe uma palavra contra a escravidão, pelo contrário existe a favor. Em colossenses 3:22 o Deus bíblico manda os escravos agradarem ao seus senhores, mas quando se tratava de um escravo hebreu aí Deus mudava de ideia, foi assim no Egito quando Deus matou todos os animais e todos os primogênitos, foi assim quando o Deus de Moisés criou uma lei específica que se aplicava apenas aos escravos hebreus onde dizia que se alguém comprasse um escravo hebreu no sétimo ano após sua compra teria que alforriar-lo, mas porque os não hebreus não teriam os mesmos direitos sendo filhos do mesmo pai? Todos sabemos que escravizar outem e crime será que o Deus bíblico não sabia disso? A verdade é que o Deus da bíblia foi criado pelos hebreus e tão somente para os próprios hebreus isso esta claro como água em toda a bíblia do começo ao fim, só os hebreus eram protegidos pelo Deus de Moisés, todos os outros povos eram inimigos do Deus dele, por isso eles mataram toda a população de Jerico, todos os homens, todas as mulheres, todas crianças inocentes e todos os animais, tudo isso com a ajuda do Deus bíblico, não seria esse um Deus genocida?

      Excluir

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.