27 de janeiro de 2011

Eu não acuso político de "corrupto"

Quando se trata de xingar alguém
de "ladrão" ou "sujo", sou cautelosa:
será que já não enganei também?
Internauta d'A Católica, Saudações!!

Este é um Post-Recado. Será breve. É sobre corrupção. E, também, falta de caridade.

Sempre que estoura algum escândalo de desvio de verbas, compra de votos no Congresso Nacional e outras vergonhas aqui no Brasil, ao contrário de algumas pessoas, eu não me exalto de dedo em riste, xingando (até com palavrões) alguns dos nossos deputados federais ou senadores: "Ladrão!", "Corrupto!", etc. Fico indignada sim. Contudo, muito mais triste. E pensativa.

Corrupção, segundo o dicionário, é "depravação"; "suborno"; "alteração". Depravação é perversão, do verbo perverter, cujo sentido é "perturbar a ordem ou estado das coisas"; "desvirtuar". Suborno é substantivo e o verbo é subornar, o qual significa "induzir a proceder mal"; "corromper com dádivas ou promessas". Por fim, alteração, cujo verbo equivalente é alterar: "perturbar"; "falsificar"; "desfigurar".

Agora, você vai entender por que não consigo me exaltar tanto com um novo escândalo de corrupção implicando políticos ou outros oficiais: porque perverter, subornar e alterar não são exclusividade deles. Alguns de nós (e se este não é o seu caso, dou-lhe Meus Parabéns), bem, praticam corrupção em pequenas ou médias doses algumas vezes por ano, por mês, por semana e até a cada dia.

Conheço história de gente, cidadão brasileiro, que nunca declarou Imposto de Renda. Isso mesmo. Nunca. Há outra mais comum: estudante que deixou de ser estudante, que não está vinculado a nenhuma instituição de ensino, nem mesmo um cursinho de inglês, e que manda fazer Carteira de Estudante (falsificada, claro), a fim de pagar meia entrada em espetáculos artísticos - cinema, teatro, shows...

Noutro dia, acompanhei pela TV, no programa Fantástico da Rede Globo, três ou quatro alunas do estado do Paraná (se não me engano), que simularam ao ProUni serem "carentes", a fim de conseguirem abatimento na mensalidade das faculdades particulares que cursam. A reportagem mostrou que uma delas seria filha do dono do bufê mais chique da cidade. (Você pode se inteirar do caso neste Link.)

Alguns de nós, de um jeito ou de outro, cometemos atos que nos põem em pé de igualdade ao que (algumas vezes) ocorre no Congresso Nacional envolvendo políticos que elegemos, que escolhemos e colocamos lá, para nos representar.

Como a idosa que preencheu uma papelada para justificar ao SUS, o Sistema Único de Saúde, por que deveria receber remédio de graça. Apesar de ter 3 rendas (duas aposentadorias e o aluguel de uma casa) e 2 filhos que recebem até R$ 16 mil por mês, ela "explicava" ao governo que "não tem condições de pagar pelos medicamentos". Isso me choca.

Fotografia de Anna Cervova

Porque o SUS garante "acesso integral, universal e gratuito para toda a população do país". Porém, o Estado deve direcionar os recursos - que não são infinitos - para atender aqueles que, de fato, não têm a quem recorrer: nem renda(s) própria(s) nem filho rico. Senão, ele quebra. Isso é consciência, ética e caridade.

E aqui encerro este Post d'A Católica.

Antes de nos indignarmos com a próxima capa de revista semanal, denunciando casos de corrupção envolvendo as esferas públicas, deveríamos parar, respirar, olhar no espelho e nos perguntar: "Será que eu ou algum parente meu não somos 'tão sujos' quanto julgo ser alguns políticos que estão no comando do Brasil?"; "Será que as pequenas ou médias corrupções que cometo não me equiparam a eles?".

É isso. Saúde e Paz!!


Imagem no início do Post, por Matthias M.


~Ana Paula~A Católica
Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

2 comentários:

  1. Ei Ana
    Você tocou num ponto muito importante e a carapuça serve para vários de nós. Culturalmente nós não temos a rigidez que caracteriza os povos anglo-saxões, o que não deixa de ser uma vantagem por um lado, por outro permite que tenhamos esse comportamento tão flexível que chega a beirar a cara de pau. A dificuldade de cumprir e seguir regras , a dificuldade de se colocar no lugar do outro e a necessidade de tirar sempre vantagem em todo o tipo de situação são padrões de atitude do povo brasileiro. Devemos sempre condenar a corrupção, mas devemos lembrar que a atitude correta começa em nossa casa nas pequenas coisas e devemos sempre nos questionar se tivéssemos a oportunidade que os políticos têm se nós realmente agiríamos de maneira diferente ainda mais sob a pressão de jogos de interesse que sabemos que ocorre. Fica a reflexão para todos nós, parabéns pelo lembrete
    Bjs
    Christian

    ResponderExcluir
  2. Esse Christian é bom demais, heim? Falou exatamente o que eu ia lhe dizer...kkkkk! Por exemplo, na época das eleições recebia aos borbotões e-mail detonando alguma figura. Eu simplesmente deletava e não prosseguia, pq uma voz me anunciava que um bom cristão não se prestava a ser veículo de difamação alguma, seja lá de quem for. Ontem quase coloquei num post um artigo de Luís Fernando Veríssimo sobre o BBB, mas contive-me, mesmo achando o BBB, uma vergonha nacional. Graças ao meu bom Deus, fui curada de assistir novelas e BBB. Aquele abraço, pq agora vou fazer pão!

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.