31 de janeiro de 2011

Dom Bosco, o santo que só queria as almas jovens

Depois que identificou o plano de Deus para a sua vida, o santo italiano
foi fiel a sua missão de ser todo para seus pobres jovens. Até o último suspiro.

"O que somos é um presente de Deus;
no que nos transformamos é o nosso presente a Ele."

Anos e anos da minha vida, estudei em uma escola Salesiana. Assim, você pode supor por que 31 de janeiro é uma data especial para mim... Senão, é que nesse dia a Igreja recorda e celebra a vida de São João Bosco ou simplesmente Dom Bosco. Foi ele o fundador da Pia Sociedade de São Francisco de Sales (os salesianos) - conforme mencionei no Post O patrono dos bloggueiros: São Francisco de Sales.

Por haver estudado "anos e anos da minha vida" em uma instituição salesiana, aprendi a devotar a ele uma atenção e um amor especiais. E não apenas por isso: sabia que o santo italiano é padroeiro da capital do Brasil, Brasília? Isso, porque ele sonhou com a cidade antes de ela existir. Aliás, profetizar pelos sonhos era um dom particular seu. Segundo o site do Senado Federal:

Em agosto de 1883, Dom Bosco, como é mais conhecido, sonhou que fazia uma viagem à América do Sul - continente que jamais visitou. No sonho, ele passou por várias terras entre a Colômbia e o sul da Argentina, vislumbrando povos e riquezas. Ao chegar à região entre os paralelos 15° e 20°, viu um local especial, onde, nas palavras de um anjo que o acompanhava em sua visão, apareceria “a terra prometida” e que seria “uma riqueza inconcebível”.

Setenta e sete anos depois do sonho, era inaugurada no Planalto Central brasileiro a cidade de Brasília, exatamente dentro do intervalo de coordenadas geográficas mencionado na visão de Dom Bosco e emoldurada pelo Lago Paranoá.

A vinculação com o sonho do santo existiu desde o começo da construção da capital, tanto que a primeira obra de alvenaria a ser erguida [em 1957] foi a Ermida Dom Bosco, uma pequena capela em forma piramidal, projetada por Oscar Niemeyer e localizada às margens do Lago Paranoá.

Quer conhecer um pouquinho melhor esse santo que profetizou sobre a nova capital do Brasil? E que também revolucionou a pedagogia, criando o método ou sistema preventivo de educação, "fundado na razão, na religião e na amabilidade" (Os Santos do Calendário Romano, Paulus, 2007)? Convido você a degustar as linhas a seguir... Seja Muito Bem-Vindo ao Blog A Católica!

João Bosco nasceu em Becchi - pertencente a Castelnuovo d'Asti, hoje Castelnuovo Dom Bosco -, na Itália, em 1815. Era filho de lavradores pobres. O pai morreu quando estava com dois anos. A mãe, Margarida Occhiena, deu duro para educar as crianças do casal. Ela era "uma mulher de fé profunda" (Santos: vida e fé, Vozes, 2008) e, apesar de analfabeta, "possuía uma vasta sabedoria cristã" (revista Terço Bizantino, Dezembro 2003-Janeiro 2004).

Sobre o menino João Bosco, J. Alves nos conta em Os Cinco Minutos dos Santos (Editora Ave-Maria, 2006):

Aos 9 anos, teve um sonho que foi a razão da sua total dedicação em favor dos jovens, sobretudo os mais excluídos da sociedade. Achava-se ele num campo com uma multidão de crianças desaforentas e inconvenientes, e procurava com fúria contê-las à força. Então um homem com o rosto iluminado e longo manto o deteve, dizendo que conquistasse as crianças não pela força mas pelo afeto e amizade.

De acordo com Dom José Carlos de Lima Vaz, SJ (sigla em latim de Companhia de Jesus), na sua obra Santos: vida e fé, quem lhe apareceu foi uma "misteriosa Senhora" a qual, conforme Enzo Lodi (Os Santos do Calendário Romano), seria Maria, prometida ao então garoto como 'sua Mestra'".

Segundo o mesmo autor, aos 20 anos de idade, "depois de estudar até o curso secundário no Real Colégio de Chieri", o jovem João Bosco finalmente realizou o sonho de entrar para o seminário. Um de seus professores, e um dos reitores do colégio eclesiástico em Turim, foi São José Cafasso (1811-1860).

De acordo com Dom José Carlos de Lima, SJ, "o experiente Sacerdote mostrou claro ao jovem Dom Bosco o caminho a seguir: o trabalho com os meninos pobres". No dia 5 de junho de 1841, ele se tornou padre. Conforme a revista Terço Bizantino, "em dezembro deste mesmo ano iniciou o seu apostolado juvenil em Turim".

Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini em Um Santo para Cada Dia (Paulus, 1996) resumem os primórdios desse apostolado: "Desde logo sua paixão foi a educação dos jovens, de modo especial os pobres abandonados. Recolheu um grupo para brincar, rezar e dar de comer. No começo, não tinham onde ficar". Na mesma obra, os autores reforçam o papel de São José Cafasso na sua missão:

O jovem conterrâneo pôs a duras provas a enorme paciência do mestre quando encheu a casa onde ele era o reitor de barulhentos meninos, recolhidos de todas as partes da periferia da cidade. Quando Dom Bosco retirou a garotada, certamente não por causa de alguma indireta do santo reitor, ele a levou a morar em Valdocco. O padre José Cafasso esteve constantemente a seu lado, também com uma ajuda financeira, e antes de morrer deu todo aquele pouco que possuía a João Bosco (...).

Estátua de Dom Bosco em Valdocco (Turim, Itália), por Georgius LXXXIX

Em 1846 (revista Terço Bizantino), Dom Bosco fundou o Oratório de São Francisco de Sales. Mamãe Margarida morava com o filho e dedicou-se "aos meninos de seu oratório nos dez primeiros anos (1846-1856)" (Os Santos do Calendário Romano). Enzo Lodi continua, delineando a vida naquela época:

Estamos nos anos nos quais Turim presenciou o começo da industrialização, com o problema decorrente da emigração juvenil, a qual nos círculos culturais provocava projetos de instrução e alguma ideia de prevenção. E nesse contexto Dom Bosco, como hábil organizador de iniciativas, refletia sobre aquilo que mais tarde se chamaria 'sistema preventivo' (...).

No início, nos "galpões que conseguiu no bairro pobre de Valdocco", ele "reunia os meninos para catequese e recreação" (Santos: vida e fé). Mais tarde, cerca de 1853, o chamado oratório festivo "se enriqueceu com laboratórios artesanais e profissionais, com escolas de artes e ofícios para jovens trabalhadores, e com escolas humanísticas para os jovens encaminhados ao sacerdócio" (Os Santos do Calendário Romano). Todos, "provenientes das camadas populares na Itália".

Para assegurar o futuro de sua obra, [Dom Bosco] fundou a Pia Sociedade de São Francisco de Sales (salesianos), aprovada definitivamente em 1869, a União dos Cooperadores [para os leigos que "colaboravam nas suas obras"] e, com a ajuda da irmã Maria Domênica Mazzarello, o Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora [ramo feminino]. (Os Santos do Calendário Romano)

Dom José Carlos de Lima Vaz, SJ relata que "com grande habilidade Dom Bosco conseguia esmolas de pessoas ricas para manter e expandir sua obra". Segundo Enzo Lodi, a partir de 1875, "na esteira da emigração italiana para a América Latina, começou a epopeia missionária dos salesianos, e Dom Bosco se tornou peregrino da Europa, à procura de fundos e benfeitores".

Sobre o magistério de sua pedagogia preventiva, que é "baseada na alegria e no amor" (Um Santo para Cada Dia), o santo educador ponderava: "Que os jovens saibam que são amados". E prosseguia: "A educação é coisa do coração, e só Deus é o senhor dele; nós não conseguiremos nada, se Deus não nos der a chave dos corações". Sobre seu método pedagógico, Dom José Carlos de Lima Vaz, SJ expõe:

Para educar uma criança, dizia Dom Bosco, é preciso amá-la e que ela se sinta amada por seu mestre. Um amor autêntico, sem ser possessivo ou passional, mas feito de compreensão, tolerância e confiança na criança. Se isso existe, não será preciso usar a punição como método educativo.

De acordo com a revista Terço Bizantino: "Dom Bosco revolucionou no seu tempo o modelo de educação e de dedicação aos jovens, e por essa razão é venerado até os dias de hoje como o apóstolo da juventude". Conforme Enzo Lodi, foi o Papa João Paulo II quem o proclamou "pai e mestre dos jovens".

O "fruto de escol no oratório de Valdocco" (Os Santos do Calendário Romano) ou "a obra-prima da pedagogia de S. João Bosco" foi São Domingos Sávio (1842-1857). Foi o santo italiano, fundador dos salesianos, quem escreveu a primeira biografia do seu aluno, que deixou o mundo aos 15 anos e cujo lema de vida - segundo Frei Jorge E. Hartmann OFM (Ordem dos Frades Menores) - era: "Antes morrer do que pecar".

Dom Bosco escrevendo, em Turim (1865-68) - Anônimo

O homem que, ainda menino, sonhou que o amor era o melhor caminho para cativar e orientar - "Os meninos são bons; se há meninos maus é porque não há quem cuide deles" - morreu em 1888 (segundo Dom José Carlos de Lima Vaz, SJ, há anos, ele padecia de problemas de saúde) e foi canonizado em 1934, por Pio XI (Sumo Pontífice de 1922 a 1939). Seu lema era: "Dá-me almas, e leva o resto" (Gn 14, 21).

Não posso encerrar este Post d'A Católica sem mencionar a devoção de Dom Bosco a Nossa Senhora, "que ele venerava com o título de Auxiliadora". Em Santos: vida e fé, Dom José Carlos de Lima Vaz, SJ a considera uma característica que deve ser ressaltada na sua "mensagem espiritual": "Ele confiava a essa Mãe Celeste [Nossa Senhora Auxiliadora] toda sua vida, suas obras, seus filhos espirituais".

São João Bosco, nosso amado Dom Bosco, Rogai por Nós!

Frases de Dom Bosco

(Fonte: Ensinamentos dos Santos, Prof. Felipe Aquino, Cléofas, 2003)

- Reprovemos os erros, mas respeitemos as pessoas.

- Tende grande cuidado de ir à Santa Missa, mesmo nos dias de semana. Pois com isso obtereis do Senhor toda a sorte de bênçãos.

- O melhor que podemos fazer neste mundo é: fazer o bem, ser alegre e deixar que os pardais chilreiem [tagarelem].

- Quem presentear um bom livro pratica uma ação incomparável diante de Deus, ainda que suscitasse apenas um único pensamento para Ele.

- Um Padre, ao paraíso ou ao inferno, nunca vai sozinho.

- A mente ociosa é oficina do diabo.

- Trabalhemos como se tudo dependesse de nós. Confiemos como se tudo dependesse de Deus.

Oração
(Orações Particulares, Editora São Cristóvão)

Deus nosso Pai, que destes à juventude abandonada,
um pai espiritual na pessoa de São João Bosco,
orientando para o caminho do bem os jovens menos favorecidos,
dai a todos os que seguem seus passos,
as luzes necessárias para continuarem fiéis à obra do Santo Fundador.

Vosso Filho Jesus já anunciava
- "Quem acolhe a um destes pequeninos, é a mim que acolhe" -
fazei que aprendamos de nosso Santo este espírito de acolhimento,
doação e dedicação em favor dos mais pobres,
a fim de que um dia recebamos o prêmio da imortalidade.

Por Cristo Nosso Senhor. Amém.


Fotografia no início de Post: Don Bosco (1887), por Carlo Felice Deasti


~Ana Paula~A Católica
Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.