10 de dezembro de 2010

Um Post sobre gente que só vê defeito e critica a nossa vida

Tem gente com o olhar afiado para descobrir (e exagerar) a feiura
nos eventos sociais ou na casa e na vida dos outros.
SE esse é o seu caso... Este Post é dedicado a você

Alguns de nós têm os olhos treinados para a feiura. Quando visitamos a casa de alguém, quando vamos a uma cerimônia de casamento, quando conhecemos nossa cunhada ou nora, em qualquer situação, alguns de nós procuram não o que há de bom, e sim um defeito, um deslize, um senão. "A casa é grande, mas..."; "O casamento foi bonito, mas..."; "Ela parece educada, mas..."; "A festa de aniversário teve fartura, mas...".

Noutro dia, do nada, sem que eu tivesse perguntado a respeito, chegaram até mim e disseram: "Não gosto do bairro onde você mora". (!!!) Infelizmente me relaciono com gente diplomada, pós-graduada e doutora em ver erro e feiura. Depois me questionam por que gosto tanto de ficar em casa. Resposta: porque é chatíssimo estar com pessoas cheias de senão, que só sabem criticar.

Não sou nenhuma santa.

Já falei aqui n'A Católica, vide o Post O meu grão de mostarda, que cometo os pecados da maledicência e da murmuração. Porém, a mesma destreza que procuro ter em enxergar as minhas falhas, também tento desenvolver para encontrar o que haveria de positivo em mim. E reconheço que não viro para alguém e digo: "Não gosto do seu bairro". Isso é estúpido e grosseiro.

Saí a meu Vovô Raul. Treino a mim mesma para avistar e exaltar a BELEZA.

Se visito a casa de alguém, localizo com olhos de lince o que me agradou e solto um elogio: "Nossa! A luz do sol entra pela janela! É tão bom uma casa onde bate o sol!". Se vou a um casamento, por menos glamouroso que seja, apelo para o essencial: "Lindo, o beijo de vocês dois!". Se não vou com a cara da namorada de um primo, esforço-me para ser o mais agradável possível com ela. Isso não é falsidade. Chama-se educação, bons modos. Além disso, é a regra de ouro que Jesus Cristo nos ensinou:

"O que quereis que os homens vos façam, fazei-o também a eles" (Lc 6, 31).

Sabe aqueles romances ou filmes em que vemos a esposa sempre reclamando com o marido? "Você não desce com o lixo"; "Você só chega tarde"; "Você deixa a tampa do vaso levantada"; "Você não joga a latinha da cerveja no lixo dos reciclados". "Você..."; "Você..."; "Você...". Pois tem gente que, apesar de não se dar conta disso, age assim conosco. Só se dirige a nós para bramir contra alguma imperfeição que teríamos.

Cultivamos uma mania desagradável, irritante, desprezível de achar que temos A SOLUÇÃO para a vida dos outros. Nem digo "problema dos outros", porque, muitas vezes, para os outros, o que eles passam não é um problema. Contudo, para quem está de fora, é. E não adianta convencer do contrário.

Por exemplo: eu não trabalho fora. Sou dona-de-casa. Entretanto, muita gente vê isso como "um problema" quando, de fato, não é. Não é um problema para mim nem para o meu marido. Nossa vida assim está perfeita. Perfeita para nós dois. Pois afirmo a você, caro internauta: quem está de fora me agride (!!!), porque acha que eu tenho que estar na rua, ganhando um salário.

A partir disto: Ana Paula não tem um salário, torno-me um bode expiatório. Não presto, não mereço respeito, sou tratada como um nada. Pessoas próximas lançam-me um olhar num misto de desprezo e, ao mesmo tempo, de "eu queria estar no seu lugar". Porque é disto que se trata, como todo psicólogo, por mediano que seja, sabe: quem desdenha, quer comprar. Quem critica tanto é porque, ainda que inconscientemente, no fundo e em verdade, queria estar ali. Ou melhor: aqui. Vivendo a minha vida.

Você já percebeu que este Post é um desabafo, né? E vem com estas duas dicas a seguir, cujo destino e objetivo são apenas este: contribuir para a harmonia nas relações interpessoais e a paz no mundo. (Ambiciosa, essa minha pretensão! Porém, é honesta.) Espero que lhe sejam proveitosas:

1ª - SE você for a algum evento - visitar a casa de alguém pela 1ª ou 5ª vezes, assistir a um casamento, marcar presença em um aniversário, conhecer a cunhada ou a namorada do primo - trate de respirar fundo e, antes de abrir a boca para propalar a alguém (cujo ouvido você queira fazer de "penico", como dizemos no Brasil) o que você achou de feio ou ruim, cale-se. OU trate de achar algo de bom. E fale sobre isso. Apenas sobre isso.

2ª - NÃO dê palpite na vida de ninguém, principalmente quando a pessoa em questão, cuja vida você acha "errada", não lhe pediu a "argúcia" da sua opinião "imparcial".

Não existe UMA fórmula da felicidade que sirva para todo mundo. SE você acha que toda mulher deve trabalhar fora para torrar todo o dinheiro em roupas e sapatos, ótimo. (Parabéns pelo seu salário só seu.) Entretanto, isso é a receita do que seja "o ideal" para você. Ou para muita gente, mas não para todo mundo. Ninguém vale menos ou é idiota ou (como me disseram uma vez com todas as vogais e consoantes) burra só porque quer ser dona-de-casa. Entendeu?

Caro internauta:
obrigada por haver chegado até esta última linha. Ufa!
O seu tempo é uma honra para mim! Saúde e Paz!!


Fotografia de Petr Kratochvil


~Ana Paula~A Católica
Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

2 comentários:

  1. Ana Paula, que desabafo! Que coragem menina! Acho que eu não saberia e acabaria ofendendo. Sigo as regras de urbanidade, ah, se sigo, mas certas pessoas não as tem e mesmo tendo, as pessoas de coração duro, má índole, fazem questão de magoar e humilhar, fazendo-se de " amiga e ingênua". Terça -feira fui a um evento do clube e chegou a minha algoz, no maior "carinho" perguntando o porque da minha ausência numa festa de um colégio, onde trabalhei por seis anos e ela como minha coordenadora, e eu muito ingênua que não sabe ser ladina, astuta, perguntei-lhe que festa fora e ela com maior voz alta disse que o colégio estava comemorando 15 anos e que eles convidaram todos os ex funcionários e eu idiota, respondi o que ela viera justamente buscar: que não tinha sido convidada. Pode? Vc acredita que eu não sei mentir e disfarçar? Estávamos em quatro na mesa e duas sempre que podem, falam de mim. Ficou um silêncio sepulcral, na hora. Entrei em oração para limpar o meu coração daquele mal estar que ficou em mim, outra vez, senti na carne o que é ser excluida preterida e não apreciada. Dói, dói muito, amiga. Aquelas duas, certamente alcançaram orgasmos múltiplos de felicidade. Parabéns, Ana Paula e desculpe-me tbém pelo meu desabafo. ´Vou ser chata e pedir sempre: passe no meu blog católico. Hoje eu postei o Natal do querido *poetinha*. Ficou lindinho. Eu curti como falamos no FaceBook. Beijão!

    ResponderExcluir
  2. Salve Maria!

    Li seu artigo sobre a Sempre Virgem Santíssima, parabéns! Vc soube muito bem falar sobre nossa mãe!

    Interessante quando leio alguns textos escritos sobre as coisas do dia-a-dia das pessoas é que percebo o quanto estou fora deste mundo!!! hehehe... sim, verdade, nossa eu li este seu artigo e parecia que eu relembrava algo de um passado distaaaaaaaaaante de mim. Mas entendo que mais uma vez vc falou muito bem sobre a realidade do ser humano.
    Então, apesar de ser cirurgiã dentista, posso dizer que quase não trabalho fora, pois minha casa e minha família estão, no quesito importância, muito a frente do meu serviço. Somente atendo se posso atender, não podendo dispenso sem remorsos meu paciente, e fico muito em paz se por ventura ele achar melhor procurar outro profissional. Interessante que os pacientes começam a respeitar esta minha postura e respondem assim: "Tudo bem marquemos outro dia!"
    Tá certo que eu não sou daquelas dentistas enrolanos, gosto de fazer tudo que posso e em poucas sessões.
    Mas tirando isto, minha vida é minha casa, meu marido e meu filho... também a Santa Missa, meu terço, e meu Blog "Santa Mãe de Deus!"
    Quando vou num casamento presto atenção na cerimônia e a beleza verdadeira é a espiritual. Se estavam bonitos os enfeites bem, mas se estavam feios ou sem enfeites tudo bem também, isto não importa.
    Não tenho uma vida social, pq simplesmente não falo mais esta
    "língua" e percebo que fico incomodada e que incomodo as pessoas.
    Gosto de sair com minha família, falar de Deus para meu filho, aproveitar a natureza e toda criação de Deus! Tenho uma veia de apologista, por isto gosto de estudar os documentos da Igreja, a vida dos Santos e gosto muito das amizades que também se interessam por estes assuntos.
    Acho que se eu ouvisse: "Não gosto do seu bairro!" Eu apenas responderia: E daí?
    E se eu não fosse convidada para algum evento e se indagada sobre isto, apenas diria: Não fui convidada graças a Deus!
    Tenho 41 anos sempre me senti meio anti social, mas hoje percebo é que na verdade é este mundo de "aparências" que nunca me agradou!
    Vivo a minha esquisitice na maior paz e sou muito feliz assim!

    Bjos e parabéns seu Blog é muito bom mesmo garota!

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.