18 de dezembro de 2010

Neste NATAL, quero pedir o que Padre Léo tinha de sobra

Se Papai Noel surgisse diante de mim e me dissesse: "Peça qualquer coisa!"...
... Ah! Sem dúvida, eu escolheria isto: FÉ. Fé como a do genial Padre Léo.

A última palestra do genial, amado e saudoso Padre Léo* na Canção Nova, Buscai as Coisas do Alto - pregação de 9 de dezembro de 2006 -, é impressionante por N aspectos. N. Mesmo. O câncer tornou aquele sacerdote robusto, de cabelos fartos e olhos azuis uma figura magra, careca e frágil, a ponto de não conseguir caminhar sozinho. Até a cor dos seus olhos parece ter escurecido.

Entretanto, mais impressionante ainda do que a mudança em sua aparência foi O QUE ele disse e COMO disse para aquela imensa audiência que estava no Centro de Evangelização da comunidade católica, na cidade de Cachoeira Paulista. Um centro de 119 metros, com capacidade para 70 mil pessoas.

Tenho o DVD e o CD com essa palestra, que adquiri em lojas de produtos católicos aqui em BH. Já vi e ouvi inúmeras vezes e o que escreverei aqui será fruto exclusivamente da minha memória.

Léo começou dizendo que estava cego de um olho e mal enxergando com o outro. Que foi um ano, o de 2006 (ele morreria em 4 de janeiro de 2007), muito difícil. Houve um dia, no hospital, que ele apertou o botão do aparelho que lhe fornecia morfina - substância para aliviar a dor - 129 vezes. Porém, apesar de tudo isso, fazia questão de estar ali, naquele evento da Canção Nova, para proclamar: "Hosana! Vitória de Deus!".

Durante cerca de uma hora, tudo o que o padre mineiro - do estado de Minas Gerais, onde nasci e vivo - fala é um soco no estômago e, ao mesmo tempo, um alento para a mente e no coração. (Não há como lhe descrever tudo o que foi dito por Léo. Sugiro com veemência que adquira Buscai as Coisas do Alto como eu fiz ou através do Shopping Canção Nova, na Internet.)

Ouvir que "Deus é bom", "A Vida é bela", "Jesus tem poder" ou "Viva Maria!" da boca de alguém rico, bonito, bem-sucedido, com filhos saudáveis, com viagem marcada para a praia e um carro novo na garagem é fácil. Facílimo. Contudo, ouvir tudo isso de alguém na condição do Padre Léo, um farrapo de gente, com dores por todo o corpo, que chegou ao palco do centro de evangelização praticamente carregado, é contundente.

Quem assiste ou ouve àquela palestra diz para si mesmo: "Eu quero ser assim". Ei: não estou falando de querer ser doente e com a morte aguardando na próxima curva. Estou falando de querer ser cheio de fé, de amor por Jesus e Sua mãe, Maria, não obstante toda aquela miséria. Física, frisa-se.

Ainda no começo, Léo, que não era homem de rodeios e sempre nos incitava a tirar as nossas máscaras, afirma: "Neste ano, eu perdi tudo. Tudo. Até o controle dos meus intestinos. Vinha irmã minha e enfermeira, que nunca vi na minha vida, me limpar. Fiquei sem nada. E digo a você: prepare-se para perder tudo o que você tem. Você também vai perder. Só a minha fé eu não perdi. Essa é o mais importante". Aplausos.

Um pouco à frente, declara com humor: "Eu sempre falei que tenho dó de gente feia. Nossa Senhora! Mas depois de passar por tudo o que estou passando, eu digo a você: tenho dó de gente feia e sem fé. Quem tem fé tem tudo. Quem não tem fé não tem nada. É a mais miserável das pessoas!". Mais aplausos.

E aqui, internauta, chegamos ao X deste Post.

Fotografia de Petr Kratochvil

Se o bom velhinho aparecesse diante de mim, mesmo com tantos pedidos materiais e de saúde para fazer por mim e por pessoas queridas, eu não hesitaria: "Papai Noel, pelo amor de Deus, tire do seu saco cheio de presentes isto: que eu nunca, nunca perca a minha fé. E sou ambiciosa: quero uma fé grande, profunda e indestrutível como a do Padre Léo, que mesmo com a morte rondando proclamava que o Senhor estava com ele. A vitória do padre querido não era o retorno de sua saúde, e sim a pemanência da fé".

Fico por aqui. Deixo você com uma uma oração e uma linda canção interpretada por Eugênio Jorge, próximo do Padre Léo. Um beijo! Saúde e Paz!!

Oração dos que querem crer
(Livro de Orações, Editora Ave-Maria)

Senhor,
olha bem para mim!
Paira Teu olhar sobre a minha vida.

Sei que Tu me olhas, que Tu me vês, que Tu me amas!
Minha vida é toda ela banhada na fé de que Tu vives!

Creio na vida, Senhor Jesus, na vida
que Tu me dás,
que Tu me concedes,
que Tu me ofereces.

Creio que Tua vitória sobre a morte,
sobre a morte dos desânimos,
sobre a morte das falsidades,
sobre a morte das desuniões,
sobre a morte do não-sentido da vida
é o que existe de mais verdadeiro.

Creio solenemente que saído do mundo da morte
Tu vives plenamente.

Creio e jubilosamente afirmo agora:
Tu és o vivo que dás vida.

É, Senhor,
mas hoje, Teu amigo Tomé me fez pensar.

Muitas vezes
tenho vontade de colocar meus dedos nas Tuas chagas,
tenho vontade de colocar minha mão no Teu lado aberto
para ter certeza...
É, Senhor, às vezes eu quero ter certeza...

A fé me parece um risco,
parece que eu estou me embrenhando numa noite escura...

Os outros, os outros dizem que é mentira a minha fé,
os outros dizem que eu estou enganado[a]
e eu fico perplexo[a], confuso[a], perdido[a].

O que parece importante em certos momentos
é responder mal com o mal,
a desesperança com maior desespero,
a falsidade com a falsidade.

Parece que não creio que Tu és vivo
e que continuas a me dar forças
para viver o Teu sonho dourado
de fazer do mundo uma imensa casa de irmãos.

É por isso que nesta hora solene
em que estou Contigo eu grito com Tomé:
Meu Senhor e meu Deus.

Meu Senhor e meu Deus.

Eu quero loucamente, desesperadamente, intensamente gritar:
Meu Senhor e meu Deus.


Meu Senhor e meu Deus
(atribuída a Eugênio Jorge)

Meu Senhor e meu Deus, meu Senhor e meu Deus
Meu Senhor e meu Deus, eu creio,
Mas aumenta minha fé

Dá-me uma fé viva, dá-me uma fé nova
Traduzida na vida, testemunhada...
... No amor pelos irmãos


P.S. *Para saber mais:
1) Padre Léo;
2) Vítima de câncer, padre Léo morre aos 45 anos.


Fotografia do enfeite de Natal de Petr Kratochvil


~Ana Paula~A Católica
Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Um comentário:

  1. Vc tem toda razão, aquela aparição dele foi um espetáculo e ainda por cima cantando aquela música do Pe. Zezinho. Eu assisti a tudo chorando. Beijão!

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.