28 de dezembro de 2010

2011: o ano do ESPÍRITO SANTO!

Se somos "templo do Espírito Santo", natural que minha
resolução de ano novo seja tornar-me um templo mais digno dele!

Sei muito pouco sobre a Terceira Pessoa da Santíssima Trindade. Por isso, vou aprender junto com você, enquanto preparo este Post! Por ora, quer conhecer o cadinho que sei?

Sei que ele dá nome a um estado brasileiro: Espírito Santo, na região Sudeste do país, cuja capital tem o sugestivo nome de Vitória. Também, que integra a Santíssima Trindade, que engravidou Nossa Senhora, que desceu em forma de pomba sobre Jesus, no rio Jordão, e que eu o recebi no dia em que fui batizada - ou seja, um mês e três dias depois que nasci. Ah: tem uma imagem dele na porta da minha sala de estar.

Comecei a ouvir falar muito do Espírito Santo quando retornei à Igreja Católica em 2007 e passei a acompanhar a programação da excelente TV Canção Nova.

A TV pertence à comunidade católica de mesmo nome, sediada na cidade de Cachoeira Paulista, no estado brasileiro de São Paulo, e que tem casas de missão espalhadas no Brasil e em várias partes do mundo. Ela (a comunidade) integra o movimento da Renovação Carismática Católica - RCC, que dá muita ênfase ao Espírito Santo. A sua presença, sua ação, seus dons e seus carismas.

A partir da programação da TV, comecei a ficar muito curiosa sobre ele e a querer experimentá-lo. Na minha vida. No meu dia a dia. Então, devagarinho, bem devagarinho, fui adquirindo obras sobre o Espírito Santo - especialmente os livros da Editora Canção Nova, como a Coleção Dons do Espírito, do missionário Márcio Mendes - que me ajudam a entendê-lo e a rezar para ele.

Cheguei ao ponto de, espontaneamente, aprender a afirmar que tudo o que vinha De Bom da minha mente e do meu coração era fruto do Espírito Santo. Antes de tornar a ser católica e de conhecer a Canção Nova, eu dizia que minhas inspirações, ideias e decisões deviam-se a meu "sexto sentido" ou a minha "intuição". Não, caro internauta: tudo De Bom que há em nós ou que vem de nós, de fato, é obra dele. Apenas dele.

Dessa forma, poucos dias atrás, logo depois do Natal, tive a seguinte inspiração: decidi eleger 2011 o ano do Espírito Santo. O que vem a ser isso? Não sei exatamente, confesso a você. No entanto, pensemos juntos: não somos o "templo do Espírito Santo", o qual recebemos no dia do nosso Batismo?

Todo mundo sabe que fim de ano é hora de elaborarmos uma lista - nem que seja apenas mental - do que pretendemos mudar ou melhorar no ano seguinte, não é mesmo? Emagrecer; parar de fumar; voltar a caminhar ou fazer outros exercícios físicos; estudar para o vestibular (conjunto de testes aplicados no Brasil a quem pretende ingressar em uma universidade) ou para algum concurso público; passear menos ou mais...

... Minha lista se resume a um único item: ser um templo digno para o Espírito Santo. (E tô lascada, dado o grau de dificuldade e exigência que isso me propõe!)

Mas, vamos do começo. "Não se ama o que não se conhece", certo?

Por isso, em primeiríssimo lugar, precisamos esclarecer algumas questões: o que é, ou melhor, quem é o Espírito Santo? O que é Santíssima Trindade? Por que eu preciso do Espírito Santo, se "já tenho" Deus, Jesus e Nossa Senhora? Que diferença seus dons, seus frutos e seus carismas farão na minha vida? Aliás: o que vêm a ser dons, frutos e carismas do Espírito Santo? Como rezar para ele? Xi... Vamos juntos??

Obra de Jan van Eyck (aprox. 1390). Detalhe
Para responder a todas essas perguntas, natural que eu recorresse ao livro que todo católico que se preze deve ter à mão, assim como a Bíblia Sagrada: o Catecismo da Igreja Católica (Edições Loyola, 2000).

Mostrei-o recentemente a minha prima e melhor amiga Viviana Paula - a qual mencionei no Post Notícias da nossa Noite de NATAL. Ela, que é espírita kardecista, pareceu-me impressionada: talvez não conhecesse como nós, católicos, somos doutrinariamente tão fortemente embasados.

Bem, no Catecismo, minhas dúvidas foram todas sanadas. E vou dividir aqui com você o que retirei de lá!

Quem é o Espírito Santo?
"Espírito Santo", este é o nome próprio daquele que adoramos e glorificamos com o Pai e o Filho. A Igreja o recebeu do Senhor e o professa no Batismo de seus novos filhos. (Parágrafo 691)

Nós o recebemos no dia do nosso Batismo. E apenas ele nos dá o dom da fé:
Para estar em contato com Cristo, é preciso primeiro ter sido tocado pelo Espírito Santo. É ele que nos precede e suscita em nós a fé. Em virtude do nosso Batismo, primeiro sacramento da fé, a Vida, que tem a sua fonte no Pai e nos é oferecida no Filho, nos é comunicada intimamente e pessoalmente pelo Espírito Santo na Igreja. (Parágrafo 683)

O Espírito Santo está em ação com o Pai e o Filho do início até a consumação do Projeto de nossa salvação. (Parágrafo 686) Ele é a terceira Pessoa divina, "fonte e princípio de nossa santificação". (Parágrafo 190)

O que é Santíssima Trindade?
O mistério da Santíssima Trindade é o mistério central da fé e da vida cristã. É o mistério de Deus em si mesmo. É, portanto, a fonte de todos os outros mistérios da fé, é a luz que os ilumina. É o ensinamento mais fundamental e essencial na "hierarquia das verdades da fé". (Parágrafo 234)

A Trindade é um mistério de fé no sentido estrito, um dos "mistérios escondidos em Deus que não podem ser conhecidos se não forem revelados lá do alto". Sem dúvida, Deus deixou vestígios de seu ser trinitário em sua obra de Criação e em sua Revelação ao longo do Antigo Testamento. Mas a intimidade de seu Ser como Santíssima Trindade constitui um mistério inacessível à pura razão e até mesmo à fé de Israel antes da Encarnação do Filho de Deus e da missão do Espírito Santo. (Parágrafo 237)

A Trindade é una. Não professamos três deuses, mas um só Deus em três pessoas: "a Trindade consubstancial*". As pessoas divinas não dividem entre si a única divindade, mas cada uma delas é Deus por inteiro: "O Pai é aquilo que é o Filho, o Filho é aquilo que é o Pai, o Espírito Santo é aquilo que são o Pai e o Filho, isto é, um só Deus por natureza". (Parágrafo 253)

*Consubstancial: De uma única substância, essência e natureza.

As pessoas divinas são realmente distintas entre si. "Deus é único, mas não solitário". "Pai", "Filho", "Espírito Santo" não são simplesmente nomes que designam modalidades do ser divino, pois são realmente distintos entre si. "Aquele que é o Pai não é o Filho, e aquele que é o Filho não é o Pai, nem o Espírito Santo é aquele que é o Pai ou o Filho". São distintos entre si por suas relações de origem: "É o Pai que gera, o Filho que é gerado, o Espírito Santo que procede". (Parágrafo 254)

As pessoas divinas são relativas umas às outras. Por não se dividir a unidade divina, a distinção real das pessoas entre si reside unicamente nas relações que as referem umas às outras (...). "Por causa desta unidade, o Pai está todo inteiro no Filho, todo inteiro no Espírito Santo: o Filho está todo inteiro no Pai, todo inteiro no Espírito Santo; o Espírito Santo, todo inteiro no Pai, todo inteiro no Filho". (Parágrafo 255)

A fé católica é esta: que veneremos o único Deus na Trindade, e a Trindade na unidade, não confundindo as pessoas, nem separando a substância: pois uma é a pessoa do Pai, outra, a do Filho, outra, a do Espírito Santo; mas uma só é a divindade do Pai, do Filho e do Espírito Santo, igual a glória e co-eterna a majestade". (Parágrafo 266)

Inseparáveis naquilo que são, da mesma forma o são naquilo que fazem. Mas na única operação divina cada uma delas manifesta o que lhe é próprio na Trindade, sobretudo nas missões divinas da Encarnação do Filho e do dom do Espírito Santo. (Parágrafo 267)

Por que eu preciso do Espírito Santo, se "já tenho" Deus, Jesus e Nossa Senhora?
Eis parte do que o Catecismo relaciona como atribuições da Terceira Pessoa da Santíssima Trindade:

Baptism of Christ, atribuída a Grigory Gagarin

- O Espírito Santo, por sua graça, é primeiro no despertar de nossa fé e na vida nova que é "conhecer o Pai e aquele que Ele enviou, Jesus Cristo". (Parágrafo 684)

- A graça do Espírito Santo tem o poder de nos justificar, isto é, purificar-nos de nossos pecados (...). (Parágrafo 1987)

Nossa justificação vem da graça de Deus. A graça é o favor, o socorro gratuito que Deus nos dá para responder a seu convite: tornar-nos filhos de Deus, filhos adotivos, participantes da natureza divina, da Vida Eterna. (Parágrafo 1996)

A graça é antes de tudo e principalmente o dom do Espírito que nos justifica e nos santifica. Mas a graça compreende igualmente os dons que o Espírito nos concede, para nos associar à sua obra, para nos tornar capazes de colaborar com a salvação dos outros e com o crescimento do corpo de Cristo, a Igreja. (Parágrafo 2003)

- Nós todos, que recebemos o único e mesmo espírito, a saber, o Espírito Santo, unimo-nos profundamente entre nós e com Deus. Pois embora sejamos numerosos separadamente e embora Cristo faça com que o Espírito do Pai e o dele habite em cada um de nós, este Espírito único e indivisível reconduz por si mesmo à unidade os que são distintos entre si... e faz com que todos apareçam como uma só coisa nele mesmo. E, da mesma forma que o poder da santa humanidade de Cristo faz com que todos aqueles em quem ela se encontra formem um só corpo, penso que da mesma maneira o Espírito de Deus que habita em todos, único e indivisível, os reconduz todos à unidade espiritual. (Parágrafo 738 - Escrito de S. Cirilo de Alexandria)

- A primeira obra da graça do Espírito Santo é a conversão que opera a justificação segundo o anúncio de Jesus no princípio do Evangelho: "Arrependei-vos (convertei-vos), porque está próximo o Reino dos céus" (Mt 4, 17). Sob a moção da graça, o homem se volta para Deus e se aparta do pecado, acolhendo, assim, o perdão e a justiça do alto. "A justificação comporta a remissão dos pecados, a santificação e a renovação do homem interior". (Parágrafo 1989)

- O Espírito Santo, que ensina a Igreja e lhe recorda tudo o que Jesus disse, educa-a também para a vida de oração, suscitando expressões que se renovam dentro de formas permanentes: bênção, petição, intercessão, ação de graças e louvor. (Parágrafo 2644)

- O artigo sobre a Igreja [Artigo 9 sobre a Profissão de Fé, no Catecismo: "Creio na Santa Igreja Católica"] depende também inteiramente do artigo sobre o Espírito [Artigo 8: "Creio no Espírito Santo"], que o precede. "Com efeito, após termos mostrado que o Espírito Santo é a fonte e o doador de toda santidade, confessamos agora que foi Ele quem dotou a Igreja de santidade". Segundo a expressão dos Padres, a Igreja é o lugar "onde floresce o Espírito". (Parágrafo 749 - Escritos de R. Catech e de S. Hipólito)

- Ao Espírito Santo cabe reinar, santificar e animar a criação, pois é Deus consubstancial ao Pai e ao Filho... A ele cabe o poder sobre a vida, pois, sendo Deus, ele conserva a criação no Pai pelo Filho. (Parágrafo 703 - Liturgia Bizantina)

- "O Deus que outrora falou mantém um permanete diálogo com a esposa de seu dileto Filho [a Igreja], e o Espírito Santo, pelo qual a voz viva do Evangelho ressoa na Igreja e através dela no mundo, leva os crentes à verdade toda e faz habitar neles abundantemente a palavra de Cristo". (Parágrafo 79)

- "A Sagrada Escritura é a Palavra de Deus enquanto redigida sob a moção do Espírito Santo". (Parágrafo 81)

- "A Sagrada Escritura deve também ser lida e interpretada com a ajuda daquele mesmo Espírito em que foi escrita". (Parágrafo 111)

- Curando as feridas do pecado, o Espírito Santo nos "renova pela transformação espiritual de nossa mente" [Ef 4, 23], ele nos ilumina e fortifica para vivermos como "filhos da luz" (Ef 5, 8), na "bondade, justiça e verdade" em todas as coisas (Ef 5, 9). (Parágrafo 1695)

- Finalmente, com João Batista, o Espírito Santo inaugura, prefigurando-o, o que realizará com e em Cristo: restituirá ao homem "a semelhança" divina. O Batismo de João era para o arrependimento, o Batismo da água e no Espírito será um novo nascimento. (Parágrafo 720)

O que vêm a ser dons, frutos e carismas do Espírito Santo?

Espírito Santo (1660), Trono de São Pedro, Basílica de São Pedro, Vaticano.
Obra de Gianlorenzo Bernini (1598–1680)

DONS:

- "A vida moral dos cristãos é sustentada pelos dons do Espírito Santo. Estes são disposições permanentes que tornam o homem dócil para seguir os impulsos do mesmo Espírito". (Parágrafo 1830)

"Os sete dons do Espírito Santo são: sabedoria, inteligência, conselho, fortaleza, ciência, piedade e temor de Deus. Em plenitude, pertencem a Cristo, Filho de David. Completam e levam à perfeição as virtudes daqueles que os recebem. Tornam os fiéis dóceis para obedecer prontamente às inspirações divinas". (Parágrafo 1831)

E aqui, caro internauta, introduzo uma explicação extraída do excelente Devocionário e novena ao ESPÍRITO SANTO (Edições Loyola, 2005). As indicações bíblicas constam em outro ótimo livrinho: Orações Particulares (Editora São Cristóvão, 1999).

SABEDORIA (Lc 21, 15) ajuda-nos a apreciar os valores divinos e humanos.

INTELIGÊNCIA (1Rs 3, 11) capacita-nos a perceber melhor as verdades reveladas e a acreditar nelas.

CONSELHO (Lc 12, 12) sugere-nos o que mais nos convém para a glória de Deus e para nossa salvação.

FORTALEZA (2 Tm 1,7) sustenta-nos nos perigos, temores e tentações, a fim de superarmos as dificuldades espirituais e corporais.

CIÊNCIA (Lc 2, 26) ensina-nos em que devemos crer e o que fazer para realizar a Vontade de Deus.

PIEDADE (1Tm 4, 7-8) leva-nos a prestar culto a Deus e aos Santos, tratando todos com amor.

TEMOR DE DEUS (Pr 8, 13; At 9, 31) impele-nos a fugir de todo pecado, para não desagradarmos a Nosso Senhor (...).

FRUTOS:

- "Os frutos do Espírito são perfeições que o Espírito Santo forma em nós como primícias da glória eterna. A Tradição da Igreja enumera doze: 'caridade, alegria, paz, paciência, longanimidade, bondade, benignidade, mansidão, fidelidade, modéstia, continência e castidade' (Gl 5, 22-23, segundo a Vulgata - versão latina da Bíblia Sagrada, empreendida por São Jerônimo)". (Parágrafo 1832)

Para clarificar, resolvi buscar no dicionário o significado de alguns frutos que podem parecer sinônimos:

Longanimidade: Bondade que faz desprezar as ofensas.
Benignidade: Aquele ou Aquela que são benignos, ou seja, afáveis; suaves e bons.
Continência: Há dois sentidos distintos: a) Privação (voluntária ou forçada) dos prazeres sexuais e b) Moderação nas palavras, nos gestos.
Castidade: Pureza; Abstinência total de pensamentos, palavras e obras sensuais.

CARISMAS:

- "Quer extraordinários quer simples e humildes, os carismas são graças do Espírito Santo que, direta ou indiretamente, têm uma utilidade eclesial, pois são ordenados à edificação da Igreja, ao bem dos homens e às necessidades do mundo". (Parágrafo 799)

- "A comunhão dos carismas. Na comunhão da Igreja, o Espírito Santo 'distribui também entre os fiéis de todas as ordens as graças especiais' para a edificação da Igreja. Ora, 'cada um recebe o dom de manifestar o Espírito para a utilidade de todos' (1 Cor 12, 7)". (Parágrafo 951)

- "... as graças especiais, chamadas também 'carismas', segundo a palavra grega empregada por São Paulo e que significa favor, dom gratuito, benefício. Seja qual for seu caráter, às vezes extraordinário, como o dom dos milagres ou das línguas, os carismas se ordenam à graça santificante e têm como meta o bem comum da Igreja. Acham-se a serviço da caridade, que edifica a Igreja". (Parágrafo 2003)

Com rezar para o Espírito Santo?
Selecionei algumas orações e um terço dedicado à Terceira Pessoa da Santíssima Trindade para rezarmos juntos. Que tal? Que a Paz do Senhor esteja conosco neste momento.

Milagre de Pentecostes (1867),
de Fidelis Schabet.
Fotografia de Andreas Praefcke

Deus, Espírito Santo
Atribuída a Cardeal Manning, convertido da Igreja Anglicana
(Grandes Orações, Editora Ave-Maria)

Deus, Espírito Santo
a quem tantas vezes entristeci,
a quem não deixei de resistir;
desde a minha infância,
enche-me de reverência por tua pessoa,
por tua essência, presença e poder.

Faze-me conhecer a graça dos teus sete dons:
o dom da inteligência e ciência,
o dom do conselho e fortaleza,
o dom da sabedoria e piedade
e o dom do temor de Deus.

És o amor do Pai e do Filho.
Batizas com fogo
e difundes o amor nos corações.
Infunde-o em meu coração.

Só uma coisa peço a Deus.
Não são riquezas nem bem-estar,
nem poder, nem alegrias passageiras,
nem bem temporais.

O que apenas desejo é uma centelha
do teu fogo divino para abrasar-me todo
nas chamas do amor de Deus.
Que esse fogo santo me purifique
de todas as máculas do corpo e da alma.

Plenifica-me com teus sete dons.
Aceita-me como vítima agradável.
Inflama-me de zelo,
dá-me arrependimento,
a fim de viver e morrer
como fervoroso(a) penitente. Amém.

Oração ao Espírito Santo
Atribuída ao Papa Paulo VI, pontífice de 1963 a 1978
(Mãos em Ogiva - Manual Catequético de Oração, FUMARC)

Ó Espírito Santo, dai-me um coração grande, aberto a vossa silenciosa e forte Palavra inspiradora, fechado a todas as ambições mesquinhas, alheio a qualquer desprezível competição humana, compenetrado do sentido da santa Igreja!

Um coração grande, desejoso de se tornar semelhante ao Coração do Senhor Jesus!

Um coração grande e forte para amar todos, para servir a todos, para sofrer por todos!

Um coração grande e forte para superar todas as provações, todo tédio, todo cansaço, toda desilusão, toda ofensa!

Um coração grande e forte, constante até o sacrifício, quando for necessário!

Um coração cuja felicidade é palpitar com o Coração de Cristo e cumprir humilde, fiel e virilmente, a vontade do Pai. Amém.

Ó Espírito Santo
(Orações de Poder, Raboni editora)

Ó Espírito Santo,
amor do Pai e do Filho,
inspirai-me sempre
aquilo que devo pensar,
aquilo que devo dizer,
como devo dizê-lo,
aquilo que devo calar,
aquilo que devo escrever,
como devo agir,
aquilo que devo fazer,
para procurar a vossa glória,
o bem das almas
e minha própria santificação. Amém.

Oração cotidiana (segredo de santidade)
Atribuída a Cardeal Mercier
(Livro de Orações, Editora Ave-Maria)

Ó Espírito Santo,
alma da minha alma, eu te adoro,
ilumina-me, guia-me,
fortifica-me, consola-me,
dize-me aquilo que devo fazer,
dá-me tuas ordens;
prometo-te submeter-me
a tudo aquilo que desejas de mim
e aceitar tudo aquilo
que vai me acontecer
Faze apenas com que eu conheça
a tua vontade. Amém.

The Holy Spirit (1750), de Corrado Giaquinto
Terço do Espírito Santo
(Terços de um povo de Fé, Canção Nova e Loyola)

A prece a seguir é feita com a ajuda de um terço comum, onde costumamos rezar o Terço Mariano.

Início:
Credo ou Símbolo dos Apóstolos

Nas contas grandes:
Recebereis o Espírito Santo e sereis minhas testemunhas.

Nas contas pequenas:
Vinde, Espírito Santo!

No final:
Salve, Rainha.

Nota: Você pode acessar as orações do Credo ou Símbolo dos Apóstolos e da Salve, Rainha neste Post: Vamos recitar o Rosário com Fé, Amor e... Arte.


Você Sabia?
"Por isso, eu vos digo: todo pecado e toda blasfêmia serão perdoados aos homens, mas a blasfêmia contra o Espírito não lhes será perdoada. Todo o que tiver falado contra o Filho do Homem será perdoado. Se, porém, falar contra o Espírito Santo, não alcançará perdão nem neste século nem no século vindouro." (Mt 12, 31-32)

De acordo com a nota de rodapé da Bíblia Ave-Maria:

A blasfêmia contra o Espírito consiste em atribuir, por maldade, ao espírito do mal, obras boas devidas manifestamente à ação do Espírito Santo.

Conforme o parágrafo 1864 do Catecismo:

Quem a profere [a blasfêmia contra o Espírito Santo] é culpado de um pecado eterno. A misericórdia de Deus não tem limites, mas quem recusa deliberadamente a acolher a misericórdia de Deus pelo arrependimento rejeita o perdão de seus pecados e a salvação oferecida pelo Espírito Santo. Semelhante endurecimento pode levar à impenitência final e à perdição eterna.

Símbolos
Dentre os símbolos pelos quais o Espírito Santo é representado, segundo o Catecismo da Igreja Católica, destacam-se: a Água, o Fogo, a Luz e a Pomba (o meu favorito, como você pôde perceber ao longo deste Post!). Espero que tenha se enriquecido tanto quanto eu! Saúde e Paz!!

Para Saborear Mais:
Querido internauta d'A Católica!

Este Post, provavelmente, deve ter suscitado mais dúvidas do que esclarecimentos, não é mesmo? Bem, foi assim comigo, enquanto o digitava para você! Desse modo, para saciar a nossa fome e sede de saber, recomendo com veemência que, como eu, você também adquira a maravilhosa Coleção Dons do Espírito, de Márcio Mendes (como disse linhas acima, ele é missionário da comunidade Canção Nova).

Até agora, foram lançados os seguintes títulos: A vida no poder do Espírito Santo; A Oração em Línguas; O Dom das Lágrimas; O Dom da Profecia; Dons de Ciência e Sabedoria; O Dom do Discernimento dos espíritos (sobre o qual falei no Post Books d'A Católica - ESTREIA) e o mais recente, O Dom da Cura. São livros cheios de testemunhos e plenos da Sagrada Escritura. Boa Leitura!


Imagem do Espírito Santo (início do Post), por Johann Michael Rottmayr (1714)


~Ana Paula~A Católica
Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.