20 de outubro de 2010

Tema de Larissa

Minha prima ganhou o primeiro nome, Larissa,
em homenagem a um dos filmes favoritos de sua mãe,

Tia Beth Camargo: Doutor Jivago (1965).
Ambientado na Rússia, uma das tomadas mais lindas
é a de um campo de flores amarelas...

Você não fica zangado comigo? É que a gente ama muito todo mundo. Mas... Algumas pessoas nos são, digamos, mais especiais. E quem explica esse amor? Só Deus. Ah, se a gente pudesse escolher por quem se apaixona... Quantas dores de cabeça isso me teria evitado no passado! Especialmente, quando o nosso afeto não é correspondido. Estou falando no caso de amor entre homem e mulher. Agora, na nossa família, entre os membros dela, também é assim: há aqueles que a gente ama de um modo mais especial.

E no meio dessas pessoas destaca-se, para mim, minha prima Larissa Cristina.
(Se você acompanha mais miudamente as publicações deste Blog, sabe que vira e mexe, mexe e vira, falo nela.)

Um termômetro eficaz para eu saber o quanto alguém me impressiona é a quantidade de vezes em que sonho com ela (ou ele) de noite, na cama. Sim: tenho este doce privilégio de, na maioria das vezes, lembrar-me (com detalhes) do que sonhei na noite anterior. E 8 pessoas são recorrentes nos meus "passeios pelo mundo dos sonhos": Vovô João, Vovô Raul, Mamãe Gali, Andréa Cristina, Flávio Augusto, Viviana Paula, Fernanda Luiza e... Larissa Cristina.

Como eu queria, queria e queria poder sonhar com a Mãe-Ita, a minha avó materna, que nos deixou há pouco mais de 20 anos. Mas, a gente não "manda" no sonho. Sonhamos com quem... Devemos sonhar, ora, bolas!

E assim, sigo sonhando com Larissa Cristina. Ela cresceu: hoje é uma mulher, de 25 anos recém-completos, professora, no segundo curso superior (passou no vestibular para Física na Universidade Federal de Minas Gerais, formou-se, e agora estuda Engenharia de Produção na mesma UFMG) e que daqui a 30 dias vai pegar as chaves do seu primeiro apartamento. Primeiro que ela mesma adquiriu.

Acontece que, apesar de todo esse currículo, Larissa sempre aparece nos meus sonhos... Como uma criança! Uma Menininha. É assim que o meu inconsciente - Cof. Cof. Cof. Estou gastando meu "conhecimento" em Psicologia Junguiana - a vê. Até hoje.

Nossa diferença de idade é de 9 anos. E na minha mente perfilam-se nossos momentos juntas.

Como aquela vez em que ela parou diante de mim, na sala-de-estar da casa da Vovó Antonieta, com seu vestido de marinheiro, e, levantando a gravata que havia na gola, falou: "Caaalma, cocadinha!!...". É que anos e anos atrás, havia uma personagem - acho que do programa de TV A Praça é Nossa -, que tinha uma gravata que se levantava "sozinha" e o comediante dizia: "Caaalma, cocada!!".

Em outro momento, num outro dia, na mesma sala-de-estar, Larissa passou por mim (eu estava lendo uma revista), ficou na minha frente e, olhando para o chão, disse: "Ninguém me ama; ninguém me quer; ninguém me chama de 'Meu Amor'!...". Depois, saiu andando. Achei estranho. E também o maior barato! Nesses eventos que relato aqui para você, ela tinha no máximo uns 4, 5 anos de idade.

Noutra vez, chupávamos uvas e eu debochei dela: "Larissa! Você está fazendo errado!!! Hahaha Você está engolindo a casca e cuspindo o sumo!!! Hahaha É o contrário!!! Hahaha...". Meses ou um ano após isso, ela parou diante de mim, na área da churrasqueira, na mesma casa da Vovó Antonieta, e botou a língua para fora. Para mim. Achei estranho. Por que a Larissa fez isso? (Aqui no Brasil, pôr a língua para fora quer dizer: "Não gosto de você".)

Mas, aí notei algo na sua língua... Larissa não a botou para fora a fim de me ofender... Ela queria me mostrar que, na sua língua, estava o sumo da uva. Ou seja: ela queria me demonstrar que tinha aprendido a chupar uva! Direitinho. Que barato!! Uma criança se lembrar de contar a uma adolescente que "Veja só: eu aprendi a fazer certo!".

O tempo foi passando...
... Fiquei uns anos sem frequentar assiduamente a casa dos meus avós...
... Não vi Larissa Cristina crescer...
... Para mim, ela era a menininha, que não havia se tornado mulher, não tinha namorado e ainda vagava pelos estreitos corredores da casa dos nossos avós com uma boneca pendendo em um dos braços...
... Por que você cresceu, Larissa?? Por quê??

Eu nunca vou conseguir olhá-la de igual para igual. Nunca vou conseguir vê-la como a mulher que se tornou. E hoje você faz aniversário, mais um ano nesse “bolão de anos” que você já acumulou!... Nosso Vovô Raul nunca, nunca se queixou de nada da vida para mim (dos seus perrengues ou da sua cegueira), mas uma vez, uma vezinha só, ele me falou: "Baixotinha... Posso ter dar um conselho?". "Claro, vovô." "Não envelheça."

Lari, não envelheça. Não envelheça.

Menininha do meu coração
Eu só quero você
A três palmos do chão
Menininha, não cresça mais não
Fique pequenininha na minha canção
Senhorinha levada
Batendo palminha
Fingindo assustada
Do bicho-papão

Menininha, que graça é você
Uma coisinha assim
Começando a viver
Fique assim, meu amor
Sem crescer
Porque o mundo é ruim, é ruim
E você vai sofrer de repente
Uma desilusão
Porque a vida é somente
Teu bicho-papão

Fique assim, fique assim
Sempre assim
E se lembre de mim
Pelas coisas que eu dei
E também não se esqueça de mim
Quando você souber enfim
De tudo o que eu amei...

Larissa Cristina e eu no dia do meu casamento:
13 de setembro de 2008.
A Menininha crescida foi a minha Dama-de-Honra!
(Fotografia de Ivagner)

A LINDA canção vista acima resultou da parceria do magnífico Vinícius de Moraes (1913-1980) com Toquinho. Para ouvi-la, basta acessar aqui. A partir de hoje, para mim, ela passa a se chamar: Tema de Larissa.

Lari:
Feliz aniversário!! Deus abençoe você e quem você amar!

Eu te amo!!


Fotografia no início do Post, por Petr Kratochvil (Click The Image)

~Ana Paula~A Católica
Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário