6 de setembro de 2010

Pátria Amada: BRASIL!!!


Aha: pensa que sou patriota apenas na Copa do Mundo? Pois eu faço questão de, como uma boa católica, "nadar contra a corrente". Na época dos Mundiais de Futebol, quando a gente vê verde e amarelo pipocando pra tudo quanto é lado, aí é que eu faço questão de não "aderir à onda". Sabe por quê? Porque gosto de demarcar que meu doce orgulho de ser brasileira revela-se toda hora, e não só de 4 em 4 anos.

Contudo, admito que nem sempre foi assim...

Este troço chamado patriotismo deixava sérias dúvidas rondando a minha cabeça... Como: "Será que gostar de ser brasileira implica 'odiar' as outras nações?"; "Se Deus ama a humanidade inteira, o que se ganha ao enaltecer apenas o país onde nascemos?". Além disso, até alguns anos atrás, eu achava piegas demonstrar amor pelo Brasil: "Coisa de gente alienada, que não entende que nosso país ainda está longe de ser uma Pátria Amada".

Nada como o tempo. "Tempo, tempo, tempo, tempo, tempooooo", como Maria Bethânia canta. E fui começando a conceber que nosso país não precisa ser o Paraíso na Terra, tornar-se o Estado ideal, para só então merecer o nosso amor.

Conversando um dia desses com o padre da minha paróquia, ele observou algo que eu nunca havia percebido: Jesus também amava a sua pátria! Em pelo menos duas passagens bíblicas, nosso Mestre deixa isso manifesto:

"Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas aqueles que te são enviados! Quantas vezes eu quis reunir teus filhos, como a galinha reúne seus pintinhos debaixo de suas asas... e tu não quiseste" (Mt 23, 37; Lc 13, 34).

E ainda em:

"Aproximando-se ainda mais, Jesus contemplou Jerusalém e chorou sobre ela, dizendo: 'Oh! Se também tu, ao menos neste dia que te é dado, conhecesses o que te pode trazer a paz!... Mas não, isso está oculto aos teus olhos. Virão sobre ti dias em que os teus inimigos te cercarão de trincheiras, te sitiarão e te apertarão de todos os lados; destruir-te-ão a ti e a teus filhos que estiverem dentro de ti, e não deixarão em ti pedra sobre pedra, porque não conheceste o tempo em que foste visitada'" (Lc 19, 41-44).

Se Jesus, o Filho de Deus, manifestava publicamente, sem constrangimento algum, o carinho que nutria por Sua terra, a terra onde ficava o templo, que Ele chamava de Sua casa (Mt 21, 13; Mc 11, 17; Lc 19,46), por que nós não podemos seguir o Seu exemplo e chorar e amar o nosso cantinho, o nosso país?

Dia desses, também conversei com minha prima Larissa Cristina - que ama o Brasil todo dia, toda hora, como eu. Expus a ela que quando descobri que a Maior Riqueza da nossa pátria é o seu povo, tornou-se mais fácil para mim não apenas aceitá-la como é - com seus bons predicados e suas deficiências - como também amá-la. O povo brasileiro é afetuoso, caloroso, hospitaleiro e guerreiro.

Pode haver a pendenga que houver, a situação pode estar russa o quanto estiver, que ainda assim conseguimos vislumbrar o sol resplandecente debaixo das nuvens e trovoadas; pegar o violão ou ligar o som; esquentar a churrasqueira ou o forno; cozinhar uma comidinha, gelar uma bebidinha e... Celebrar a vida.

Isso tudo, que eu julgava "alienação", é muito antes pelo contrário Sabedoria. Nós, brasileiros, exercemos com autoridade a Arte de Viver. Somos um povo Feliz. Não queremos e não gostamos de tristeza. É fato.

Anos atrás, assisti a um documentário em um canal de TV a cabo sobre a imigração para o Brasil. O programa mostrava como nosso país recebe as pessoas que pedem asilo político, ou seja, o direito de um estrangeiro fixar residência em um outro país, quando se sente perseguido no seu. Lá pelas tantas, um angolano dizia que já se considerava brasileiro, "porque quando a gente se alimenta da comida de uma terra, passa a fazer parte desse lugar".

Achei tão bonito...

Se ele se autointitulava "brasileiro" até com um certo orgulho, com tão pouco tempo aqui, imagine eu, imagine você, que nos alimentamos há anos com a mandioca, a banana, o caju, a couve, o quiabo, a abobrinha, a cenoura, o Feijão Tropeiro, o Tutu à Mineira, a feijoada, a dobradinha, o Frango ao Molho Pardo, a Muqueca ("Muqueca é Capixaba, o resto é Peixada"), o acarajé, a cocada, o pé-de-moleque, o pão de queijo, o brigadeiro, o cajuzinho, a Broa de Fubá, o alho...

Somos brasileiros do dedão do pé à ponta do fio de cabelo mais comprido da nossa cabeça! Não há como evitá-lo!... E, se não há como evitá-lo, resta-nos abraçar este fato: Somos Brasileiros! Convido você a neste 7 de Setembro, ouvir e cantar o Hino Nacional comigo!! Feliz Dia da Independência do Brasil!!!

P.S. Dedico este Post a meus primos ultrapatriotas:
Larissa Cristina, Carlos William (o Cacá) e Viviana Paula (que vive na África do Sul).

Oração pelo Brasil
(Orações de Poder, Raboni editora)

Ó Maria, concebida sem pecado,
olhai para nosso pobre Brasil, rogai por ele, salvai-o.
Quanto mais culpado é,
tanto mais necessidade tem ele de vossa intercessão.
Uma palavra vossa a Jesus e o Brasil será salvo.

Ó Jesus, que nada negais a Vossa Mãe Santíssima,
salvai nosso Brasil. Amém.


Imagem da Bandeira da República Federativa do Brasil: Internet

~Ana Paula~A Católica
Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

2 comentários:

  1. "...nosso país não precisa ser o Paraíso na Terra, tornar-se o Estado ideal, para só então merecer o nosso amor..."
    É isso ai prima!
    É aqui q eu moro e é aqui q eu amo! E num troco isso aqui por nada!

    Que honra hein! Um post dedicado!
    Valeu! E eu bato boca mesmo com quem fala mal daqui sem argumento!
    Rá!

    Beijão

    ResponderExcluir
  2. Da-lhe Brasil! Terras tupiniquim!

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.