28 de agosto de 2010

O poder da Palavra de Deus

São Bonifácio confiou literalmente
na força do Evangelho
Olá, caro internauta!

Não dei o Ar da Graça nesta sexta-feira de ar extra-seco aqui em BH, porque estava ocupada com algo importante: o padre da minha Paróquia designou-me para escrever o Editorial da edição de setembro do informativo e eu tive que me concentrar, ler bastante e... Escrever.

Engraçado.

A gente de esforça, vamos dizer, 100% e só 20% a 25% do nosso trabalho é aproveitado. E algumas vezes a sobra - ou seja: aquilo que não compôs o principal - não é de se jogar fora! Mesmo.

Então, o Post pós-sexta-feira extra-seca será sobre a sobra, a parte que não foi aproveitada para entrar no Editorial do informativo. E que sobra, caro internauta!!! Não é de se jogar fora mesmo.

A parte que não entrou no texto que escrevi para o jornal refere-se a nada mais nada menos do que... Tchan Tchan Tchan Tchan: São Bonifácio!

Bem, como nós sabemos, setembro é o mês da Bíblia. O padre determinou que o tema do Editorial seria "A Palavra de Deus". Você pode estar se perguntando: o que São Bonifácio tem a ver com o mês da Bíblia?... Aguarde as explicações nas linhas abaixo. Quem viver, verá - ou melhor: quem ler, saberá!

Eu já havia lido sobre São Bonifácio no excelente livro 50 Santos (Edições Loyola, 2005), do monge beneditino alemão Anselm Grün. É engraçado como o mesmo texto lido em anos diferentes nos salta aos olhos de maneiras diversas. Desta vez, fiquei ainda mais impressionada com a história da vida e do martírio desse destemido e diligente santo inglês, que ajudou a evangelizar a Alemanha.

Mas, vamos por partes: de grão em grão... A gente destrinça essa história!

De acordo com o livro Os Cinco Minutos dos Santos (Editora Ave-Maria, 2006), Bonifácio nasceu na Inglaterra, no ano de 672. Bem, ele ainda não se chamava Bonifácio, mas Winfred ou Winfrid e pertencia a uma nobre família inglesa. Conforme Grün:

Contrariando seu pai, tornou-se monge beneditino; e não demorou muito para que chegasse ao posto de diretor da escola do mosteiro. Com 30 anos foi ordenado padre. Era um professor talentoso. Mas o trabalho missionário o atraiu.

Assim, em 716, Winfred ou Winfrid partiu para evangelizar a região da Frísia, na Alemanha. Contudo, fracassou. Ainda segundo Grün: "os frísios tinham acabado de vencer os francos cristãos e expulsado os missionários. Eles não queriam nem ouvir falar de cristianismo, pois era a crença de seus inimigos".

Então, Winfred peregrinou até Roma, para - de acordo com o livro Um Santo para Cada Dia (Paulus, 1996) - "rezar sobre os túmulos dos mártires e obter as bênçãos do Papa". Gregório II (pontífice de 715-731) não só concordou com seu impulso missionário, como lhe concedeu, por escrito, a autorização de implantar sua obra evangelizadora na Alemanha. Desta vez, Winfred foi bem-sucedido.

Ainda conforme Um Santo para Cada Dia, "em três anos percorreu grande parte do território germânico". Seja na Turíngia ou na Frísia, onde operou as primeiras conversões, "os saxões responderam com entusiasmo a sua pregação". Nota: saxões são um antigo povo germânico, que vivia entre o rio Reno e o mar Báltico.

Chamado a Roma, segundo Os Cinco Minutos dos Santos, o Papa sagrou-o bispo de Mogúncia (Alemanha), em 722. Nessa época, recebeu do Sumo Pontífice seu novo nome: Bonifatius, "o benfeitor".

No retorno à Alemanha, teria ocorrido a célebre legenda do carvalho, que o santo derrubou de um só golpe.

Um adendo: legenda, conforme Anselm Grün, significa "o que deve ser dito no dia da festa de um santo". O monge continua:

As legendas dos santos mostram, em imagens arquetípicas, como Deus interfere em nossa vida e como o caminho de nossa humanização chega a sua boa meta. (...) Não importa se são historicamente verdadeiras, mas se descrevem uma verdade interior: a verdade da ação divina sobre o homem. (...) A legenda está convencida de que Deus intervém na história, a impregna e a marca com o Seu Espírito.

No lugar de um carvalho venerado e vigiado pelos pagãos,
São Bonifácio mostra o que é a verdadeira santidade

Eis a legenda de São Bonifácio, de acordo com Um Santo para Cada Dia:

Num bosque (...) mandou derrubar um gigantesco carvalho ao qual as populações pagãs atribuíam poderes mágicos porque era considerado a morada de um deus. Aquele gesto foi considerado como um verdadeiro desafio ao deus, e os pagãos se aglomeraram para assistirem à vingança do deus ofendido. Bonifácio aproveitou para lhes comunicar a mensagem do Evangelho. Aos pés da árvore derrubada edificou a primeira igreja dedicada a São Pedro.

Grün interpreta:

A legenda é uma ilustração de que Bonifácio pega os incrédulos pela raiz. (...) Lá onde eles veneram seu deus, ele as remete para o verdadeiro Deus, o único capaz de salvar a vida delas. Bonifácio tem uma sensibilidade para aquilo que move as pessoas, mas também para aquilo que preenche o coração delas. Ele vai à raiz da descrença para abrir os olhos das pessoas para a verdade, para o que realmente sustenta sua vida.

Os livros que consultei não entram em acordo quanto à data em que Bonifácio foi nomeado arcebispo por Gregório III (papa de 731 a 741). Além da nova função, ele foi designado vigário do Pontífice para a região missionária da Alemanha e, mais tarde, legado (espécie de embaixador) papal. O santo fundou várias dioceses e, por volta de 744, "o mosteiro que seria seu predileto, Fulda", onde realizou sínodos (reuniões de líderes eclesiásticos) da Igreja alemã.

Aos 82 anos e ainda incansável, Bonifácio, junto a cerca de 50 monges, retornou à região da Frísia, onde havia começado o seu trabalho missionário. Ali, no ano de 754, no Dia de Petencostes (a festividade da vinda do Espírito Santo sobre as apóstolos, a Virgem Maria e outras 120 pessoas, que se celebra depois da Páscoa), um grupo de frisões pagãos, armado de espadas, assassinou o santo e seus companheiros. Eles celebravam a Santa Missa.

Cena do martírio de São Bonifácio:
"mergulhado na própria impotência, o santo confia no poder de Deus"

Grün descreve o crime: "Para se proteger [da execução], Bonifácio segurou o livro dos Evangelhos sobre a cabeça e a espada atravessou o livro sem ferir uma palavra sequer dos textos sagrados. Hoje esse livro se encontra em exposição em Fulda". Conforme Um Santo para Cada Dia, ele disse aos companheiros: "Não temam, todas as armas deste mundo não podem matar a nossa alma". Uau.

Compreende agora, caro internauta, por que São Bonifácio tem tudo a ver com o mês da Bíblia? Acha pouco o que ele fez? Foi simbólico, fortemente simbólico o gesto de pôr os textos sagrados sobre a cabeça para se proteger. Acompanhe a análise do monge alemão:

Contra a supremacia dos inimigos, ele confia na Palavra de Deus, que se revela vencedora. Ele também mantém a fé no poder da palavra divina, quando renuncia a todas as armas e se protege apenas com o livro dos Evangelhos. No plano externo, os inimigos assassinos são aqui mais potentes do que ele. Mas na realidade ele prova ser também na morte o homem forte, que persevera em sua fé.

Ler sobre a vida do santo inglês, cuja ação frutificou na Alemanha, foi proveitoso para mim por uma razão especial: descobri que mesmo trabalhando por uma santa causa, como a Igreja Católica, isso não implica que não encontraremos diversos obstáculos que nos abatem e deixam-nos tristes.

Foi reconfortante para mim (re)ler na obra de Anselm Grün que São Bonifácio, como qualquer um de nós, também encontrou várias resistências: seu trabalho missionário era "acompanhado de decepções. [Entretanto,] as difíceis circunstâncias temporais jamais o levaram a reclamar ou lamentar. Ele se agarrava ao trabalho, ordenava as relações eclesiais, criava clareza. E sempre se dedicava, ele mesmo, ao trabalho missionário".

No ótimo livro Léxico dos Papas - de Pedro a João Paulo II (Vozes, 1991), Rudolf Fischer-Wollpert, alerta: "Para além de sua atividade altamente exitosa como missionário, que lhe trouxe o honroso título de 'apóstolo dos alemães', sua importância para a história do papado não pode ser esquecida".

O autor refere-se ao papel de São Bonifácio, como legado papal, em "estreitar vínculos mais fortes do papado com os francos". Isso ocorreu depois da queda do Império Romano do Ocidente, durante o desligamento dos papas do imperador de Bizâncio. Mas isso fica pra mais tarde: é uma outra (e longa) história...

São Bonifácio, Rogai por Nós!


Imagens:
São Bonifácio, por 23 dingen voor musea (Nederland);
Cena do carvalho cortado, por Emil Doepler (1855-1922) e
Martírio do santo e seus companheiros na Frísia (autoria desconhecida).

~Ana Paula~A Católica

Nenhum comentário:

Postar um comentário