25 de agosto de 2010

A inveja nossa de cada dia

São Tomás de Aquino teria dito: "Só a soberba e a inveja são pecados
puramente espirituais, portanto, do âmbito possível dos demônios"

Não sei quanto a você... Mas vira e mexe eu me pego invejando alguém ou sendo invejada por alguém. E tanto um quanto o outro são situações terríveis, não?

E bote terrível nisso...

... O Pai dos "Sábios", vulgo dicionário, dá duas definições para inveja:
1ª Desgosto pelo bem alheio;
2ª Desejo de possuir o que outro tem (acompanhado de ódio pelo possuidor).

Nossa... "Acompanhado de ódio pelo possuidor"... Forte, não? Ódio, ainda segundo o dicionário, é "aversão inveterada e absoluta; raiva; rancor; antipatia".

Se a Psicologia nos ensina que não temos culpa pelo que sentimos, a Igreja quer ir além: ela nos estimula a não nos sentirmos assim... Porém, vamos ser realistas, né? É difícil pacas evitar a inveja. E horrível tanto senti-la, quanto ser sua vítima. AFINAL: como driblar esse sentimento nefasto?

Inveja vem acompanhada de ódio, ódio também significa antipatia... Antipatia me faz lembrar Santa Teresinha do Menino Jesus e da Sagrada Face (1873-1897). Ela é A Professora quando se trata de usar Psicologia e Sabedoria Divina, juntas, para vencer todos esses sentimentos medonhos dentro de nós.

Há quem pense que a vida dentro de um convento ou de um mosteiro é o próprio Céu na Terra. Não é bem assim. Os Manuscritos da santinha francesa - que viraram o best-seller História de uma Alma e garantiram-lhe o glorioso título de "Doutora da Igreja" - revelam as competições, hostilidades e outras cositas más que havia no seu dia a dia de carmelita.

Teresinha do Menino Jesus:
"Ah! Como os sentimentos de Jesus
são contrários aos sentimentos da natureza!"
No excelente - excelente mesmo - livro Psicologia de Teresa de Lisieux - Desenvolvimento humano de uma Doutora da Igreja (Paulinas, 2007), Luiz Jorge González deslinda para nós as técnicas de que Santa Teresinha se valia para superar o melindre, o orgulho e a antipatia dentro de si. Na página 11, o autor sublinha: "O desenvolvimento humano, mesmo contando com a graça poderosa do Senhor, exige esforço pessoal". Citarei um dos exemplos do livro.

Como sabido por nós, que gostamos de hagiografia ou relatos da vida dos santos (há uma categoria dedicada a ela neste Blog), a santinha francesa nutria uma tremenda antipatia por uma de suas colegas no Carmelo de Lisieux.

Era dificílimo para ela tolerar até mesmo a própria visão dessa carmelita. Assim, com a ajuda da Graça de Deus, Teresinha desenvolve uma técnica que Luiz Jorge González designa como "mudança do foco de atenção", ou seja, a santa se desviava daquilo que a incomodava nos outros e, simplesmente, pensava em algo diferente. O autor nos orienta:

"... Tal como Teresa de Lisieux, você escolherá, como foco de atenção, o bom e o construtivo que há nos outros ou nas circunstâncias".

A santa explica: "Jesus, o artista das almas, fica feliz quando, em vez de olhar apenas o exterior, entramos no santuário íntimo que Ele escolheu para morada [ou seja, qualquer um de nós] e admiramos sua beleza".

Dessa forma, prossegue: "A caridade não deveria assentar-se nos sentimentos, mas nas obras. Então, apliquei-me em fazer por essa irmã o que teria feito pela pessoa que mais amo. (...) Quando sentia a tentação de responder-lhe de modo desagradável, contentava-me em lhe dar meu mais agradável sorriso e procurava mudar a conversa".

O autor do livro sintetiza esse processo: "ao converter Jesus no foco de sua atenção, Teresa consegue mudar seus sentimentos. Em lugar da antipatia, ela experimenta o gozo de encontrar-se com seu amado Jesus, presente na alma daquela irmã".

Simples assim.
Eu me disponho a colocar essa preciosa técnica em prática. E você?

Entretanto, além do "esforço pessoal", precisamos (e como precisamos, né?) contar com a Graça poderosa do Senhor.

E aqui chegamos à intenção primária deste Post d'A Católica: dispor para você orações especiais para rogar a graça do Senhor, a fim de evitar a inveja alheia e, também, evitar sentir inveja dos outros.

Do fundo do meu coração, caro internauta:
intercedo junto à Nossa Senhora da Cabeça para que todas as graças dos Céus desçam sobre você ao recitar cada uma das seguintes orações.


Elas estão divididas em:
Grupo 1) Evitar a Inveja dos Outros e
Grupo 2) Evitar Sentir Inveja dos Outros. Deus o abençoe!

Grupo 1

Oração pelos inimigos
(Mãos em Ogiva - Manual Catequético de Oração, FUMARC)

Ó Deus, que pelo mandamento da vossa caridade
nos mandastes amar quem nos maltrata,
dai-nos, seguindo a Nova Lei,
pagar o mal com o bem
e carregar os fardos uns dos outros.
Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

O poder da bênção
(Novena para Proteger-se da Inveja, Editora Santuário)

Senhor, queres que eu seja um instrumento Teu
para abençoar os outros. E, quando eu os abençoo,
derramas Tua bondade sobre suas vidas.

Quero abençoar os que me invejam e perseguem,
quero desejar-lhes que vão bem e que sejam felizes.
Que Te conheçam, Te amem e aprendam a viver Tua palavra.
Que sejam santos e bons.

Eu os abençoo, Senhor, com os melhores desejos
de meu coração, porque assim, mais cedo ou mais tarde,
deixarão de desejar minha desgraça. Amém.

Grupo 2

Senhor, Guardai-me do Ciúme!
Atribuída a François Varillon
(Orações de todos os tempos da Igreja, Cléofas)

Vede, Pai, como o meu coração é mau. Não posso perceber perto de mim valores que me ultrapassem, sem que isso me cause sofrimento.
Ao invés de me alegrar, com simplicidade de criança,
diante dos frutos produzidos pelos talentos em mãos dos que me são caros,
essa riqueza, que acusa minha pobreza, torna-me impaciente e triste.
Se o admiro, é somente com o lábio e o meu louvor é ambíguo.

Julgo mal, quando realizados por outros, os atos que me orgulharia,
se eu tivesse podido cumpri-los.
Bem longe de aceitar humildemente os meus déficits,
sou incapaz de amar espontaneamente as pessoas que valem mais do que eu.
Porque elas fizeram o bem que eu era incapaz de fazer,
guardo-lhes rancor como se elas me tivessem feito mal.

Já me aconteceu de desejar que fracassasse
o empreendimento do meu melhor amigo;
senti-me secretamente triunfante
quando se arruinou uma obra cuja iniciativa não fora minha.

Preferi calar-me sobre certas ideias que teriam sido fecundas,
com medo de que elas fossem mais habilmente exploradas
por outros do que por mim.

Senhor Jesus, dissestes:
"Amai vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam" -

E eis que eu preciso antes de tudo perdoar, por existirem
os que não me querem nenhum mal e não cometeram nenhum erro
além de espalhar pelo mundo
uma beleza e uma verdade que o fazem mais agradável.

Dai-me, Pai, o desapego que abre o coração ao encantamento infantil!
Quero admirar as obras de Vossos filhos, sem nenhum paralelo
com minhas incapacidades, imaginárias ou reais.
Que elas me deem um entusiasmo muito puro,
comparável ao que sinto diante do espetáculo do céu estrelado!

Ladainha da Humildade
Atribuída ao Cardeal Merry del Val
(Mãos em Ogiva - Manual Catequético de Oração, FUMARC)

Jesus, manso e humilde de coração.
(Ouvi-me.)
Do desejo de ser estimado.
(Livrai-me, Jesus.)
Do desejo de ser exaltado.
Do desejo de ser honrado e louvado.
Do desejo de ser preferido a outros.
Do desejo de ser aceito por todos.

Do medo de ser desprezado.
Do medo de ser esquecido.
Do medo de fracassar.
Do medo de ser humilhado.
Do medo de não ser aceito.

Que os outros possam ter mais êxito do que eu.
(Concedei-me a graça de aceitar em paz, Jesus.)
Que os outros possam ser melhor aceitos do que eu.
Que os outros possam ser mais amados do que eu.
Que os outros possam ser preferidos a mim.

- Jesus, manso e humilde de coração.
Fazei o meu coração semelhante ao vosso.

Oremos:
Jesus, manso e humilde de coração, ardentemente suplico
para que façais meu coração semelhante ao vosso.

Dai-me a graça de ir adquirindo progressivamente
um coração desprendido e vazio, manso e paciente.
Dai-me a graça de de sentir-me bem no silêncio e no anonimato.
Livrai-me do pecado do medo do ridículo, do temor do fracasso.

Afastai do meu coração a tristeza.
Fazei-me livre, forte e alegre.
Que nada possa perturbar minha paz, nem assustar-me.
Que meu coração não sinta necessiade de autossatisfações
e possa eu dormir todos os dias no leito da paz.

Revesti-me de doçura e paciência,
mansidão e fortaleza,
suavidade e vigor,
maturidade e serenidade.
E os que me veem Vos vejam, Jesus. Amém.


Imagens: Pintura Jealousy and Flirtation, de Haynes King (1831-1904); Fotografia de Santa Teresinha do Menino Jesus e da Sagrada Face (Internet)

~Ana Paula~A Católica
Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.