30 de julho de 2010

Não deixe para amanhã: grite HODIE!

Santo Expedito merece a nossa devoção. Êta santinho infalível!...

Imagem: Internet

Uma das coisas gostosas de ser católico é a veneração dos santos. Há irmãos nossos, cristãos, que torcem o nariz para a nossa coleção de imagens, dizendo que as "adoramos". Não é nada disso. Nós sabemos que a imagem não é "Deus". Ela apenas representa alguém que viveu, passou por aqui e foi muito, muito especial. Se ela se quebra (se for de gesso) ou se rasga (se for de papel), não tem problema. Nós a enterramos em algum local e adquirimos outra.

Aprendi com o Professor Felipe Aquino, por que nós, católicos, veneramos os santos. Um adendo: professor Felipe formou-se em Matemática, é Mestre e Doutor em Engenharia Mecânica e estudou Ciências Aeroespaciais no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (Ita). Teólogo, apresenta o excelente programa Escola da Fé na TV Canção Nova e já foi chamado de "Google da Igreja Católica". De acordo com ele, o culto que prestamos aos santos não é de latria (adoração), mas de dulia (veneração).

E por que nós, católicos apostólicos romanos, veneramos os santos?
O sábio professor tem três respostas a essa pergunta.
Nota: os exemplos para as respostas são de responsabilidade d'A Católica.

1ª) Você já contemplou uma tela de Cândido Portinari (1903-1962)? Entre outros trabalhos, o pintor paulista foi o responsável pela decoração da Igreja de São Francisco de Assis na região da Pampulha, em Belo Horizonte, Minas Gerais.

Diante de uma obra como aquela - com o mural de São Francisco no altar e, no exterior, os painéis de azulejo em azul e branco -, nós, pela beleza da arte, reverenciamos e amamos o seu autor. É assim com todas as criações artísticas: ouvir uma das sinfonias do compositor clássico alemão Beethoven (1770-1827) é admirar o próprio criador; assistir a uma apresentação do Grupo Corpo é aplaudir Rodrigo Pederneiras, o coreógrafo da companhia mineira de dança. E por aí vai...

Na Bíblia Sagrada, Deus não disse: "Façamos o homem à nossa imagem e semelhança" (Gn 1, 26)? Pois então. Os santos nada mais são, senão uma semelhança mais aprimorada de Deus. Como seres humanos notáveis que foram, venerá-los, admirá-los e amá-los nada mais é do que admirar e amar quem os fez: Deus. Através deles, nós veneramos - no fundo e em essência - o próprio Criador.

2ª) Lembra quando a Rede Globo de Televisão lançou a novela Roque Santeiro, em 1985? A atriz paulista Regina Duarte fazia o papel da espalhafatosa Viúva Porcina. A personagem - sem dúvida, o maior sucesso de sua carreira -, além de atrair a audiência dos telespectadores, fez com que muitas brasileiras arremedassem o seu jeito de se vestir (camisões abertos sobre a roupa, colares compridos e grandes laços na cabeça) e decorassem o quarto como o seu (várias almofadas cor-de-rosa sobre a cama, colchas de cetim e pierrôs de porcelana como enfeites).

Com os santos, ocorre o mesmo. Eles são o exemplo que nós, católicos, queremos e devemos copiar. Ao contrário de Jesus Cristo, que é o próprio Deus, eles foram gente como a gente: cheios de vícios, fraquezas, pecados. E mesmo assim, apesar da frágil condição humana, conseguiram vencer a si mesmos e atingir a santidade. São uma inspiração. Nós os veneramos como aqueles que se sobressaíram pela Fé, Humildade e Caridade. Se eles conseguiram romper os nós da descrença, do orgulho e do egoísmo, nós também podemos.

3ª) Finalmente, eis a terceira razão para se venerar os santos.

Toda sala-de-aula tem aquele aluno mais "caxias", de quem muitos professores gostam, justamente por ser o mais aplicado nos exercícios e bem-sucedido nas provas. Imagine, agora, a turma em pânico, porque na segunda-feira tem um trabalho importante para ser entregue. Mas, a maioria nem começou a pesquisar o tema! Então, eles recorrem àquele colega, o "caxias", e sugerem a ele: "Ei, já que a professora te escuta, te respeita mais, pede pra ela adiar a entrega pra sexta-feira que vem...".

E assim, o colega mais inteligente e estudioso da turma faz o pedido, explica que o trabalho é muito difícil e que, se todos tivessem "mais tempo", o resultado seria melhor. A professora acata.

Com os santos é a mesma coisa. Em vez de nos dirigirmos diretamente a Deus em oração, podemos pedir a intercessão deles, como os colegas mais aplicados que foram nesta Grande Escola chamada Vida. Deus, na Sua infinita misericórdia, ouvirá as nossas súplicas pela boca dos santos - os alunos inteligentes, amados de Deus. Pela boca e as mãos deles, nossos pedidos, nossos agradecimentos, nossos receios, nossas alegrias chegarão ao colo do Nosso Pai, no Céu.

Os santos, dessa forma, são nossos "embaixadores": os representantes das nossas causas diante de Deus.

E entre todos os milhares de santos da Igreja, merece a nossa atenção, respeito e veneração um homem muito especial chamado... Expedito. Documentos históricos aliados à Tradição da Igreja Católica nos contam que ele foi um alto oficial do Exército romano e comandava uma legião - cerca de 7 mil soldados.

Imagem: Internet
Um dia, tocado pela graça de Deus, Expedito quis converter-se ao Cristianismo. Antes de dar esse passo importante, porém, o demônio (ou o encardido, como dizia o saudoso Padre Léo) apareceu-lhe na forma de um corvo que lhe repetia: "CRAS... CRAS... CRAS...". Ou "Amanhã... Amanhã... Amanhã...", em latim. A tentação era esta: "Deixe para amanhã a sua conversão. Hoje, não! Amanhã...". Ou: "Goze um dia mais a vida cômoda do pecado, converta-se mais tarde...".

Diz a sabedoria popular: Não deixe para amanhã o que pode ser feito hoje. Expedito não hesitou e fez uso das suas qualidades de militar - decisão firme e atitude precisa - e... Zapt. Agarrou o corvo, torceu-lhe o pescoço, jogou-o ao chão e esmagou-o com os pés. Então, fez o Sinal da Cruz e gritou: "HODIE! HODIE! HODIE!", que em latim quer dizer: "HOJE! HOJE! HOJE!".

Já, agora. Imediatamente. Como nos lembra Alex Monteiro de Castro no livrinho Santo Expedito - o Santo das causas urgentes (Artpress, 2003):

O tempo urge, a vida é curta, cuidemos logo do que realmente importa, isto é, conhecer, amar e servir a Deus nesta vida, para depois recebermos, pela misericórdia d'Ele, a recompensa da vida eterna.

Os cristãos foram perseguidos por pelo menos dois séculos e meio: entre a chegada de São Pedro a Roma (nos anos 60 d.C.), durante o governo de Nero (54-68 d.C.), e a autorização para que o Cristianismo pudesse existir no Império Romano, sob Constantino, no ano 313. Nesse período, houve inúmeros mártires (mártir é uma palavra de origem grega que significa testemunha): gente que se recusava a prestar culto ao imperador ou a oferecer sacrifícios a deuses pagãos ou que simplesmente passava adiante os ensinamentos de Jesus Cristo.

Fiel à fé que abraçou, Expedito foi martirizado em Melitene, na atual Armênia (Europa), no ano de 303. Na época, governava Diocleciano - segundo Padre Luiz Cechinato em Os 20 séculos de caminhada da Igreja (Vozes, 2006), o imperador que organizou a mais dura perseguição aos cristãos.

Em português, expedito significa ativo, despachado, ou seja, uma pessoa desembaraçada e rápida em atender. Expeditus, em latim, é pronto, ligeiro, livre. A história da conversão do santo, portanto, faz jus a seu nome. Expedito foi diligente em assumir a sua fé. Não perdeu tempo. Por isso, é invocado nos casos que exigem solução imediata, que pedem uma resposta sem demora.

Sou devota ardorosa de Santo Expedito. Ele nunca me faltou.

É memorável para mim quando recorri a ele, em 2005, a fim de que amolecesse o coração de um colega de trabalho que havia sido rude comigo. Pedi ao santo que tudo ficasse bem entre nós dois. Qual não foi a minha alegria e alívio quando, NO DIA SEGUINTE, encontrei um e-mail do meu colega pedindo-me "Perdão" - isto mesmo: não foi "Desculpe-me", mas "Perdoe-me". Quase chorei de felicidade. Êta santinho cheio de presteza!...

Para conhecer mais sobre ele, além do livrinho de Alex Monteiro de Castro, indico Novena de Santo Expedito (Editora Santuário, 2003) e Devocionário e novena de Santo Expedito (Edições Loyola, 2004). Entre todas as orações ao santo, aquela de que mais gosto, transcrevo a seguir.

Santo Expedito, Rogai por Nós!

Meu Santo Expedito das Causas Justas e Urgentes,
Socorrei-me nesta Hora de Aflição e Desespero,
intercedei por mim junto ao Nosso Senhor JESUS CRISTO!
Vós que sois um Santo Guerreiro,
Vós que sois o Santo dos Aflitos,
Vós que sois o Santo dos Desesperados,
Vós que sois o Santo das Causas Urgentes,
Protegei-me, Ajudai-me, Dai-me Força, Coragem e Serenidade.
Atendei ao meu pedido (fazer o pedido).

Ajudai-me a superar estas Horas Difíceis,
protegei-me de todos que possam me prejudicar,
Protegei a Minha Família,
atendei ao meu pedido com urgência.
Devolvei-me a Paz e a Tranquilidade.
Serei grato pelo resto de minha vida
e levarei seu nome a todos que têm fé.

Muito Obrigado, Meu Santo Expedito!

Rezar um Pai Nosso; uma Ave, Maria e fazer o Sinal da Cruz.

Que Deus o abençoe!

~Ana Paula~A Católica
Importante:

Todos os Poemas escritos e publicados no Blog acatolica.com
são sistematicamente registrados
junto ao Escritório de Direitos Autorais (EDA)
da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro (BRASIL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada por participar.