25 de fevereiro de 2017

Fome

Alice Liddell as a beggar girl (1858). Photo by Lewis Carroll

"Não aceite migalhas!", eu ouço.
(Dizem que há um banquete pra mim.)
Mas, se o amor não é pressuroso
e tarda em fazer meu festim
agir como Lázaro, eu escolho:
pego os restos e esqueço o motim.


18 de fevereiro de 2017

Mártir

Foto de Ntr.Photos (licença Creative Commons
Atribuição-Compartilha Igual 4.0 Internacional)

Com que dignidade a flor cumpre seu santo ofício!
Rebenta, não obstante a seca, a mancha negra
uma mão ou a intempérie de uma lâmina
que as formiguinhas manejam rente ao meio-fio.


5 de fevereiro de 2017

Extremos

Tela: The Star: Dancer in Pointe (c. 1878-80), Edgar Degas

Na ponta da pena, sentenças.
Na ponta da língua, malícia.
Na ponta do pé, equilíbrio.
Na ponta do dedo, disciplina.
Na ponta de ciúme, contenda.
Na ponta dos fios, um corte.
No ponto final, reinício.
Na ponta da seta, um norte.
No ponta de lança, um título.
Na ponta da lança, a sorte.


26 de dezembro de 2016

O equívoco

Foto de Hans Hillewaert

Passarinho e elefante ao pressentir calamidade
- dilúvio, chuva de fogo, 10 pragas -
disparam em debandada pra léguas além.
A Mulher, não: vira estátua de sal, se enche de chagas...
Crente que um milagre, do nada, intervém.


24 de dezembro de 2016

À francesa

Tela: An old woman standing by a window (1885), Vilhelm Hammershøi

Para o 'fazendeiro'

As saídas mais retumbantes são sorrateiras.
Mesmo sem interromper a prosa
pro último beijo
nem fazer deixar na mesa a posta
pr'um abraço ligeiro
nem tropicar nas tábuas tortas
em que ninguém deu jeito,
algumas soam como batida de porta
que atordoa pela vida inteira.


O Tempero

Foto de Mathias Krumbholz

Os grãos que alguém virou
do celestial saleiro
e que salpicam o forro da noite
de janeiro a janeiro
- mesmo de longe -
dão gosto ao mundo inteiro.


Astúcia

Foto: Natural-colour image of the Canyon Lands of Utah area,
with Rainbow Bridge and Navajo Mountain (lower right) -
Autores: Jesse Allen and Robert Simmon - Fonte: NASA Earth Observatory

O amor sabe que é possível evitar
uma cheia no coração pleno.
E se transmuta pra achar seu lugar
como filete por todo o terreno.


23 de dezembro de 2016

O discurso

Tela: Sehnsucht (Träumerei) - circa 1900 - Heinrich Vogeler

Que oratória aguda e precisa!
Usa e abusa da coerência,
à qual nenhuma pessoa resiste.

Sem sofrer nunca interferência
nem da audiência distraída,
a eloquência da Saudade, quem exibe?


18 de dezembro de 2016

Ocaso

Foto: Cuatro Torres Business Area desde Paracuellos, Madrid, España, 2016 -
Autor: Benjamín Núñez González

A luz não é sucinta ao se despedir.
Qual uma tia cheia de histórias,
ela fica na soleira da porta, ao partir.

E toca lânguida e insistentemente
na face dos vidros, dos muros,
dos galhos, dos cumes,
marcando tudo com um beijo amarelo,
que o breu é destro em cobrir -

pro sossego das corujas, das estrelas
e das amantes ciumentas
que não desconfiam
de quem se demorou por aqui.


14 de dezembro de 2016

Água

Tela: Liebesakt (Lovemaking) - 1915 - Egon Schiele

De suas atribuições, a mais delicada:
numa reta com torvelinhos
favorecer, entre 2 pontos, o enlace
tornando fluida a jornada.


10 de dezembro de 2016

Diálogos

Tela: Sunbathers (between 1920 and 1940), John Lavery

O sol nunca fala sozinho.
Quem tem a mesma ventura?
A pele responde com rubor
a seda, com secura
a sarça se inflama
a poça vai às alturas.

Cá embaixo (é o instinto)
uma a uma as criaturas
compõem seus pergaminhos.
Recebendo, quase nunca,
sequer satisfação -
ainda que enxuta.


9 de dezembro de 2016

O Não

Foto: Instalação artística da japonesa Yoko Ono na Indica Gallery (Londres) em 1966.
No alto, a lupa permite enxergar a palavra YES: "SIM" em inglês. Fonte: www.artbouillon.com

Um a menos, um a mais -
que diferença faz?
Quando outro chega, se aninha -
acha logo seu lugar.
O que inquieta, aporrinha
é se seu oposto ao aportar
faz estrondo, se sublinha
ou acanhado perde o ímpeto...
Até sumir. Se sublimar.