19 de setembro de 2018

Sem peias

Tela: Thunersee mit symmetrischer Spiegelung (1909), Ferdinand Hodler

Para P. L.

Uns dizem: "É dócil, aquele moço!".
Ou "volúvel" - na visão de outros.
E assim não se chega a um acordo

de como o céu, que cai num poço
e se estira nas marés com gosto,
dá-se também à gota - quase todo.


17 de setembro de 2018

A Visitante

Tela: Messagères du printemps (1904), Dominique Lang

Ela chega e só com um aceno
extrai bem lá de dentro
o que a vista tem de portento.

Por tornar assim tudo ameno
o anseio dos ares é intenso
pra que se delongue no tempo.

Contudo, o sofá sem remendos
ao Verão, vai logo dizendo
que seu pouso nunca é extenso.


16 de setembro de 2018

Armas

Tela: Le printemps by Alfons Mucha (1860-1939)

Basta o frio falar grosso,
que o outono se desespera:
atira o que vê no chão
e, do posto, sai às pressas.

Sem cachecol nem gorro,
vem a campo, a primavera:
só com flores na mão
se impõe e vence a guerra.


14 de setembro de 2018

Hombridades

Tela: Eine hübsche Marktfrau,
 Ferdinand Wagner the Elder (1819-1881)

Quem no ombro traz a tira
da sua bolsa bem-munida
fala de retidão com mestria.

Aos pobres pombos, todavia
a mão que o maná lhes atira
direita ou não, faz-se divina.


12 de setembro de 2018

O amor

Tela: Le baiser (1898), Félix Vallotton

Nesse percurso batido
do entendimento nascido
entre dois indivíduos
há, no fundo, imprevistos
e o familiar aos sentidos
vira um mundo distinto.


10 de setembro de 2018

Arrojada

Tela: Viewing a Waterfall: Women of the Jōkyō Era - 1893 - Toshikata Mizuno


A prumo, no precipício,
pronta pra se atirar,
se joga sem correr risco:
tem vidas pra escoar.

Há pedras em todo rio -
não liga, pois vai nadar,

perseguindo seu destino,
sem querer se desviar -
se ressoa alto aos críticos
é pra não os escutar.


9 de setembro de 2018

O interruptor

Imagem: Morning at Dōtonbori, Ōsaka (Ōsaka Dōtonbori no asa) - 1921 - Hasui Kawase

Metida no penhoar rosa
sonolenta, mas disposta
arrasta-se noite afora
tateando até vir a hora
de ligar a luz, a Aurora.


8 de setembro de 2018

Superficial

Imagem: Five O'Clock Tea (1911), Leo Rauth

Tem afeto com a desdita
de vir de um erro de matiz:

só se chega à cor genuína
depois de vencer o verniz.


7 de setembro de 2018

Inexorável

Tela: Zachód słońca (Sunset) - 1900s - Józef Mehoffer

Ao curso natural, tudo se obriga:
o que foi quente já não extasia.
Esse mesmo sol no pino do dia
se alheia à frente - na tardinha.


5 de setembro de 2018

A barra

Tela: Study for Eagle Head, Manchester, Massachusetts (circa 1869), Winslow Homer

Não subestime a bainha
pela textura sem monta:
essa parte mais ínfima
é que segura a onda
e todo oceano na linha!


2 de setembro de 2018

A Matrona

Tela: Aurora (1814-15), Anne-Louis Girodet de Roussy-Trioson

Logo quando ela chega,
repete gestos calculados:
a baixela dourada à mesa
e os grãos de sal espalhados,
que luziram a noite inteira
a alguns olhos esfomeados,
recolhe e dispõe na ceia
que haverá no outro lado.


1 de setembro de 2018

Pombo-correio

Imagem: In Autumn Woods (c. 1877), Winslow Homer

Vem no ar denso o bilhete,
que não poupa nenhuma vista.

Escapa em cortejo o verde
da entrega que não se extravia.