10 de dezembro de 2017

Noite

Tela: Moonlight (1893), Edvard Munch

Quem pensa que tudo silencia
é porque não prestou atenção.

O dia reserva a algaravia
pra hora da escuridão.

Grilos e feras principiam
seu agudo refrão.

Nas almas não redimidas
ressoa grave, um senão.

Só a hora matutina
rearranja a composição.

Até lá, um solo sentencia:
os que velam não escaparão.


7 de dezembro de 2017

Efeitos

Tela: La Petite Mendiante (1880), William-Adolphe Bouguereau

Para P. L.

Não subestime a tua oferta:
é um prodígio o que ela faz.

O luar que entra pela fresta
um quarto, pode iluminar.

Uma gota pra alma repleta
e tudo põe-se a transbordar.

5 pães e 2 peixes na mão certa:
bocas se fartam e deixam sobrar.


5 de dezembro de 2017

Comprimido

Tela: The Lady of Shalott (1888), John William Waterhouse

Tão exíguo, mal se distingue
o que enche a alma de vida!
(Quem entende o coração?)

Basta o relance do ser insigne
para aquela que ia à deriva
enfim encontrar o seu chão.


4 de dezembro de 2017

A Lição

Tela: Las horas tristas (The sad hours)
- circa 1900 - Ramon Casas i Carbó

Chora às escondidas
a que, afoita, apossa
de sua pérola mais fina
ao que não se importa.

Qualquer ostra ensina
esta lição preciosa:
só aquele que se digna
alcança a sua joia.


3 de dezembro de 2017

A Emoção

Tela: Nocturne (1887), Eilif Peterssen

Nem sempre vem à luz e só quem a leva
tem a justa noção da grandeza dela.
Não ser qual um lago, a mim, exaspera
pois à vista de todos, a lua, ele gesta.


2 de dezembro de 2017

Trincheira

Tela: Blow Blow Thou Winter Wind (1892), John Everett Millais

Preserva-a assim, deserta:
ao que se impõe de todo jeito,
boa estratégia é sucumbir.

Se o frio invade, é coisa certa
que tomará do hall ao leito -
e vai passar, quando convir.


28 de novembro de 2017

Desencanto

Tela: At the Window (sempstress at the window) - 1890 - Fritz von Uhde

Como a Terra que, na altura da aurora,
já distingue com alguma precisão
a serra do mar; o mar do firmamento
e uma planície do despenhadeiro,

num dia, desperta e cala suas cordas
- como as palmas - a toda expressão
e só um dorso é seu oferecimento
a quem, ávida, se achega do parapeito.


27 de novembro de 2017

O devoto

Tela: The lovers (by 1909), William Powell Frith

Ela toma suas oferendas por coisa fina
ou como algas à deriva em alto-mar?
Os olhos de quem oferta ficam cinzas
- não distinguem - e se põem a imaginar
as pernas da divindade em dança aflita
tentando, de cada uma, se desvencilhar.


26 de novembro de 2017

Bandeira

Tela: La vieille histoire, John William Godward (1861-1922)

Lapidá-la a toda hora
se tornou prioridade
de uma dona bem ciosa
que, se foge do alarde,
não ofusca a sua joia
de quem nela teve parte.


24 de novembro de 2017

Familiaridade

Tela: Windflowers (or Windswept) - 1903 -
John William Waterhouse

Nem meia relva ruboriza
com o calor daquela Estrela.
Há muito, a rosa não liga
pro sereno e suas prendas.
O pomar pouco suspira
com os afagos na colheita.

Mas com essa ventania
que de longe aqui chega
muda e broto se ouriçam,
mexe tudo o que viceja:
a folhagem, retraída,
em dois tempos já solfeja!


22 de novembro de 2017

A expectativa

Tela: The Day Dream (1880), Dante Gabriel Rossetti

A semente desconhecida
oculta N possibilidades.
Encorajada, num dia,
mostra a que veio na verdade.
Se decifrasse no que daria,
não tinha feito minha parte:
a inflorescência mais rica
não vem à luz na realidade!


21 de novembro de 2017

A nova perspectiva

Tela: L'Amour et Psych (1899),
William-Adolphe Bouguereau

Se o amor toma de assalto
uma criatura,
põe suas plantas ao alto
das conjunturas
e sua ventura a salvo
nas coisas miúdas.