1 de julho de 2016

A afinidade

Tela: Abelard and his Pupil Heloise (1882), Edmund Blair Leighton

Pra quê recear tempestade?
Chega com estardalhaço
e sinaliza comoção.
Garoa é que é arriscada:
persistente e sem alvoroço,
também causa inundação.


30 de junho de 2016

Minimalista

Foto de Joshua Tree National Park

Seu exíguo guarda-roupa
tem somente quatro mudas.
Ainda assim, toda noite,
como surpreende, a lua!


29 de junho de 2016

Sem cera

Foto de John Liu

Certo é o dente-de-leão,
que não deixa em espera:
à menor investida (um sopro)
tira tudo e se entrega.


27 de junho de 2016

O amante

Foto de Audrey from Central Pennsylvania, USA

O temporal chega súbito e fogoso:
abraça, agita, descabela -
tira a rosa do prumo.

Quando cansa, é previsível, meticuloso:
deixa ali e acolá uns pingentes
e, então, toma outro rumo.


23 de junho de 2016

Temporãos

Tela: Self-Portrait (Madrid), detail eyes - 1498 - Albrecht Dürer

Seus olhos têm a cor do outono,
quando esfria com o verão
e flerta com o inverno.

São parelha na entressafra demorada:
pouca seiva, nenhum fruto -
nada, pra quem espera.

Olhar onde o apetite se oculta
sob uma mantilha de folhas -
que um dia o volume entrega.

Duas barcas ancoradas, mas inquietas.
Por vezes, painas que rolam incertas.

Pra quem os meus fazem figa, torcem
pra que se assentem e vicejem logo -
independente da primavera.


18 de junho de 2016

Impertinentes

Imagem: Ipponkyō kaishi - 17th century - Tosa Mitsuoki

Aquele galho comprido
cutuca nuvem, papagaio e jato -
como importuna o céu!

Lembra as mãos em ogiva
que a um Pai dedicado
ainda insistem que seja fiel.


16 de junho de 2016

O Homem Novo

Foto de Jean Beaufort

Antes do Sundown,
as pessoas deixavam a casca
a olhos vistos.
Agora, se uma criatura renasce,
ninguém mais sabe:
segredo bem-escondido.


14 de junho de 2016

Negligência

Foto de Andrew Schmidt

Vai me ver, e não faz a barba.
Não machuca, mas abala:
no meio dos espinhos, meus lábios
são uma rosa encarnada.


12 de junho de 2016

Esther Williams

Tela: Sunset Sky (1905), Childe Hassam

Tão quente, que o sol não resiste
a um mergulho no poente.
E a lua, insone, vira a noite boiando...
(A sereno e dedo enrugado, indiferente.)

Tela: Moonlight (1895), Edvard Munch

10 de junho de 2016

O espelho

Tela: Der Maler und Jo (1928), Ernst Oppler

Aquele rosto bonito
ultimamente é só o que vejo.
Pra saber o meu feitio
o foco dele, eu não perco.

Não me olhe assim, meu amigo:
não somos alheios.
Embora não se atente pra isto
o encaro o tempo inteiro.


6 de junho de 2016

Um segredo

Tela: Meadow with Poppies (1896), Pál Szinyei Merse

Nunca se sinta em casa,
pra não ficar sem regalias.
Sempre é melhor tratado
quem tem ares de partida.

Por dentro, papoulas bailam,
contudo não perca a linha:
o amor paga com devoção
recém-chegado que mantém a pinta.


5 de junho de 2016

Precaução

Tela: La maja desnuda (1795-1800),
Francisco de Goya y Lucientes

Guarde a taça, esqueça o vinho:
quem ama já vive alto e sem tino.
Baixa a guarda, e não corre risco:
tem corpo a postos pro sim repentino.